EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

90° aniversário do nascimento de Anne Frank

90° aniversário do nascimento de Anne Frank
Direitos de autor 
De  Maria Barradas com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Para assinalar a efeméride, Ray Cooper, um californiano amigo do pai da jovem, entrega as cartas de Otto Frank ao Museu do Holocausto de Washington.

PUBLICIDADE

Anne Frank celebraria esta quarta-feira, 12 de junho, 90 anos.

O artista e antiquário, Ryan Cooper, aproveita a efeméride para entregar ao Museu do Holocausto de Washington a correspondência que recebeu do pai da jovem, Otto Frank, nos anos 70.

Cooper quer partilhar as cartas para que as pessoas possam ter uma compreensão mais profunda do pai e da própria Anne Frank, cujo famoso diário da Segunda Guerra Mundial é considerado uma das obras mais importantes do século XX.

Ryan Cooper conta: "Conhecemo-nos em 1973. Escrevi-lhe algumas cartas uns meses antes disso. Vivemos experiências muito interessantes, inclusivé ele deixou-me ver o diário original da Anne".

Os textos de Anne Frank contam o quotidiano de um grupo de judeus, que viveu escondido num sótão entre 1942 e 1944, durante a ocupação nazi da Holanda.

 Quando o grupo foi descoberto todos foram levados para os campos de concentração. Anne, a mãe e uma irmã acabariam por morrer. O pai, Otto Frank, foi o único membro da família que sobreviveu. Assistiu à libertação do campo de Auschwitz pelo exército soviético. Depois da guerra dedicou todo o seu tempo a falar sobre as atrocidades do Holocausto e fez publicar os textos da filha que o mundo veio a conhecer como "O Diário de Anne Frank".

"Ele dedicou-se a explicar o Holocausto. Não tanto a falar sobre o Holocausto, mas sobre tolerância e humanidade. Tinha muita esperança nos jovens e retirava a inspiração das cartas que recebia, na maior parte dos casos, de jovens", explica Cooper.

Otto Frank faleceu em 1980, com 91 anos, bastante debilitado. Entre os documentos de Ryan Cooper há cartas da sua segunda mulher, Elfriede "Fritzi" Frank, onde ela escreve a forma como o marido lutou para manter a saúde durante a série de aparições públicas e entrevistas, por ocasião das celebrações do cinquentenário do nascimento de Anne Frank, meses antes de falecer.

O Museu do Holocausto de Washington promete disponibilizar online a coleção de Cooper.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Casa Branca acusa Elon Musk de promover "ódio antissemita e racista".

Centenas assistem a recriação de desembarque do Dia D

Espanha e Irlanda tentam que UE se incline para o reconhecimento da Palestina