A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Compras multimilionárias na maior feira de arte do mundo

Compras multimilionárias na maior feira de arte do mundo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A maior feira de arte do mundo arrancou em Basileia, na Suíça, onde multimilionários compram obras de arte.

O quadro "Mulher com Cão" de Pablo Picasso está à venda por 32 milhões de dólares.

No ano passado, 44% das vendas de arte foram feitas nos Estados Unidos. O Reino Unido ficou em segundo lugar com 21%.

"O mercado saiu-se bastante bem nos últimos dois anos. Tivemos dois anos de crescimento consistente e no ano passado cresceu cerca de seis por cento, atingindo 67 mil milhões. Este número mostra que suscita o interesse dos investidores mainstream. Nesta fase, é um grande negócio", realça a economista Clare McAndrew.

A pintura "Le Vol de L'Oiseau" de Joan Miró está à venda por 25 milhões de dólares. Os preços das obras de pintores famosos como o artista catalão nunca caem como explica a analista Clare McAndrew: "Enquanto continuarmos a abastecer o mercado de gama alta com peças que as pessoas querem, vai haver sempre procura, porque ela é impulsionada pela escassez. Portanto, toda a gente está à procura dos mesmos nomes, que são poucos, na gama alta. Portanto, há essa espécie de escassez, que mantém os preços altos".

4,8 mil milhões de euros é o preço do quadro "Goulphar II" da pintora norte-americana Joan Mitchell.

Na feira Art Basel participam 300 galerias de todo o mundo e quase cem mil visitantes. "Estou grata por as galerias ainda terem espaços em todo o mundo. E quando eu tenho tempo - eu vivo disto - vou sempre, mas é mais fácil para mim convencer os meus clientes a virem a uma feira do que a irem a uma galeria", diz a consultora independente Lisa Schiff.

Cada vez mais artistas e galeristas acusam a Art Basel de se concentrar mais no dinheiro do que na arte.