Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Compras multimilionárias na maior feira de arte do mundo

Compras multimilionárias na maior feira de arte do mundo
Tamanho do texto Aa Aa

A maior feira de arte do mundo arrancou em Basileia, na Suíça, onde multimilionários compram obras de arte.

O quadro "Mulher com Cão" de Pablo Picasso está à venda por 32 milhões de dólares.

No ano passado, 44% das vendas de arte foram feitas nos Estados Unidos. O Reino Unido ficou em segundo lugar com 21%.

"O mercado saiu-se bastante bem nos últimos dois anos. Tivemos dois anos de crescimento consistente e no ano passado cresceu cerca de seis por cento, atingindo 67 mil milhões. Este número mostra que suscita o interesse dos investidores mainstream. Nesta fase, é um grande negócio", realça a economista Clare McAndrew.

A pintura "Le Vol de L'Oiseau" de Joan Miró está à venda por 25 milhões de dólares. Os preços das obras de pintores famosos como o artista catalão nunca caem como explica a analista Clare McAndrew: "Enquanto continuarmos a abastecer o mercado de gama alta com peças que as pessoas querem, vai haver sempre procura, porque ela é impulsionada pela escassez. Portanto, toda a gente está à procura dos mesmos nomes, que são poucos, na gama alta. Portanto, há essa espécie de escassez, que mantém os preços altos".

4,8 mil milhões de euros é o preço do quadro "Goulphar II" da pintora norte-americana Joan Mitchell.

Na feira Art Basel participam 300 galerias de todo o mundo e quase cem mil visitantes. "Estou grata por as galerias ainda terem espaços em todo o mundo. E quando eu tenho tempo - eu vivo disto - vou sempre, mas é mais fácil para mim convencer os meus clientes a virem a uma feira do que a irem a uma galeria", diz a consultora independente Lisa Schiff.

Cada vez mais artistas e galeristas acusam a Art Basel de se concentrar mais no dinheiro do que na arte.