Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

UE pede desculpa a Portugal pela falta de ajuda nos incêndios de 2017

UE pede desculpa a Portugal pela falta de ajuda nos incêndios de 2017
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

2017 foi o ano mais trágico de Portugal no combate aos incêndios. As chamas fizeram mais de 100 mortos e destruíram 442 milhares de hectares de floresta e povoamentos.

O drama marcou também um antes e depois na capacidade de resposta da União Europeia (UE).

Dois anos mais tarde, o comissário europeu para a ajuda humanitária e gestão de crises, o cipriota Christos Stylianides, admitiu que Bruxelas falhou no apoio ao país.

"Infelizmente, não prestámos a devida assistência aos portugueses e, claro, tivemos mais de cem vítimas, como se devem lembrar. Esta dolorosa experiência foi para nós uma situação chocante e penso que isso foi como uma rampa de lançamento para insistirmos e atualizarmos a estrutura de resposta anterior", declarou o responsável.

O comissário europeu revelou ter telefonado em outubro desse ano aos governantes dos estados-membros com a tutela da proteção civil. A resposta de uns foi que também precisavam dos meios de combate. Já outros confessaram não dispor mais desses meios em pleno outono.

Da tragédia nasceu a estratégia comunitária RescUE, que para 2019 e 2020 conta com um orçamento de 200 milhões de euros e funciona como uma rede de segurança extra para situações de catástrofes.

O mecanismo inclui ainda uma frota inicial composta por sete aviões e seis helicópteros, mas a própria Comissão Europeia reconhece que é preciso aumentar a capacidade de resposta para o futuro.

Este ano, a Croácia, França, Itália, Espanha e Suécia colocaram aviões e helicópteros à disposição da frota de transição do "rescUE" 2019, que estão operacionais de junho a outubro para socorrer qualquer país que seja afetado por incêndios florestais. Será também utilizado o sistema de satélites Copernicus da UE para cartografar as emergências resultantes dos incêndios.