A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Índia revoga estatuto especial de Caxemira

Índia revoga estatuto especial de Caxemira
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O prenúncio de um agravamento da frágil trégua entre a Índia e o Paquistão.

A decisão do Governo indiano, verbalizada no Parlamento pelo ministro do Interior, de revogar na Constituição o estatuto especial de autonomia do estado de Jammu-Caxemira (artigo 370), enfureceu a oposição.

A tentativa de integrar a região de maioria muçulmana com o resto de país também provocou protestos no exterior do edifício. O artigo 370 proíbe os indianos que não sejam naturais do estado de se estabelecerem permanentemente, de comprarem terras, de ocuparem cargos no governo local e de beneficiarem de bolsas de estudos.

Dezenas de tropas foram deslocadas para a região de Caxemira antes do anúncio polémico e os turistas foram incentivados a partir. Estão proibidas reuniões públicas. A internet e redes móveis também foram cortadas.

Os ex-líderes do governo do estado, Mehbooba Mufti e Omar Abdullah foram colocados em prisão domiciliária. Mufti considera a decisão uma força de ocupação.

Manifestou-se através do Twitter tal como Omar Abdullah.

Na prática, o Governo decidiu dividir o estado, marcado pro conflitos separatistas, em dois territórios, que terão um parlamento, e Ladaque, que será controlado diretamente pelo Governo central.

O chefe da diplomacia paquistanesa rejeitou a revogação, determinada por ordem presidencial, alegando que viola uma resolução das Nações Unidas.

Shah Mahmood Qureshi rejeitou igualmente a ordem presidencial e disse que a Índia "pode entrar em guerra" com o Paquistão em tal situação.