Última hora
This content is not available in your region

ONU discute situação em Caxemira

ONU discute situação em Caxemira
Tamanho do texto Aa Aa

Centenas de pessoas saíram, esta sexta-feira, à rua na cidade de Srinagar, a capital de Jammu e Caxemira.

De acordo com a agência France Press, a polícia recorreu a gás lacrimogéneo e a balas de baixo calibre para dispersar a multidão.

Os protestos começaram há 12 dias depois do Governo de Nova Deli ter assumido o controlo total do território e de ter suspendido, abruptamente, o estatuto de autonomia da região que lhe era garantido pela Constituição indiana.

As comunicações em Jammu e Caxemira foram cortadas.

Esta sexta-feira, o Conselho de Segurança das Nações Unidas discute a situação a pedido do Paquistão.

De acordo com a representante daquele país na ONU, Maleeha Lodhi, "hoje, o mundo inteiro discute sobre o estado ocupado, sobre a situação dos Direitos Humanos em Jammu e Caxemira. É uma situação de Direitos Humanos abismal com violações praticadas impunemente pela Índia".

O embaixador da China na ONU, Zhang Jun, afirmou que "é opinião geral dos membros do Conselho de Segurança que as partes interessadas devem abster-se de tomar quaisquer medidas unilaterais que possam agravar ainda mais a tensão no território, uma vez que a tensão já é muito tensa e muito perigosa."

Numa visita a Pokhran, no oeste da Índia, local dos testes de 1998, o ministro indiano da Defesa prestou homenagem ao antigo primeiro-ministro e antigo líder do partido governante Bharatiya Janata, Atal Behari Vajpayee, por fazer da Índia uma potência nuclear. No local, Rajnath Singh deixou um aviso:

"No que diz respeito à nossa política nuclear, a nossa política sempre foi a de "não usar primeiro". No entanto, o que acontece no futuro dependerá das circunstâncias."

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.