A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Proibição da Huawei nos EUA atrasada 90 dias

Proibição da Huawei nos EUA atrasada 90 dias
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A administração norte-americana anunciou o atraso por mais 90 dias da proibição de produtos Huawei no país.

Esta segunda-feira terminou a "licença geral temporária" antes atribuída.

O secretário norte-americano do comércio justificou a decisão afirmando que algumas companhias ainda precisavam de mais tempo para efetuarem as mudanças necessárias.

"Algumas empresas rurais dependem dos equipamentos Huawei. Por isso vamos dar-lhes mais tempo para se adaptarem. Mas não estamos a atrbuír licenças específicas para nada", afirmou o secretário norte-americano do comércio, Wilbur Ross.

A extensão vai permitir ao gigante tecnológico chinês continuar a comprar componentes de empresas norte-americanas assim como a servir clientes.

A Huawei, assim como 46 empresas afiliadas, integram a lista negra económica compilada pelas autoridades norte-americanas.

A proibição já está a afetar os lucros de várias empresas norte-americanas como a Qualcomm, Micron Technology ou Intel.

Segundo um relatório independente, estas empreas perderam 435 milhões de dólares no segundo trimestre do ano.

No ano passado, a Huawei comprou componentes norte-americanos no valor de 11 mil milhões de dólares.

O presidente-executivo da Western Digital, Stephen D. Milligan, anunciou que depois de terem interrompido as vendas para a Huawei, esta passou a adquirir os componentes de concorrentes internacionais que não constavam da lista negra.

A empresa chinesa está igualmente a desenvolver o seu próprio sistema operativo o que permitirá abandonar o sistema Andróide que pertence à Google.