EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

5 Estrelas tem 5 dias para virar à esquerda ou à direita

Sergio Mattarella
Sergio Mattarella Direitos de autor REUTERS/Remo Casilli
Direitos de autor REUTERS/Remo Casilli
De  Giorgia OrlandiTeresa Bizarro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente italiano impôs terça-feira como prazo de entendimento para a formação de novo governo, senão avança para a convocação de eleições antecipadas

PUBLICIDADE

A maratona de reuniões no Palácio do Quirinal, em Roma,  confirma a máxima: em política, o que hoje é verdade, amanhã pode ser mentira. A Liga de Matteo Salvini rasgou o acordo de coligação com o Movimento 5 Estrelas e desfez o governo, mas volta agora a estar disponível para conversar com o partido de Luigi Di Maio.

O 5 Estrelas tem também um potencial aliado no Partido Democrático, que impôs publicamente 5 condições para fazer parte do governo. Esquerda ou direita? O presidente italiano deu mais 5 dias para se encontrar solução. "Durante as consultas que agora terminaram, fui informado por alguns partidos políticos que foram lançadas iniciativas para se alcançar um novo consenso parlamentar de modo a formar um novo governo e foi-me pedido que desse mais tempo para aprofundar esses contactos. Algumas forças políticas mostraram-se disponíveis para novos compromissos futuros. Por estas razões tenho a obrigação, no interesse do país, de requerer decisões rápidas," afirmou Sergio Mattarella no final da ronda de audiências.

A solução para esta crise governamental deve ser encontrada entre as linhas do discurso oficial de vários líderes políticos nas consultas desta quinta-feira. De um lado, Salvini a mostrar que está disponível para reabrir as conversações com o Movimento 5 Estrelas. Do outro o Movimento 5 Estrelas e Luigi Di Maio, o líder que representa o partido com maior número de lugares no parlamento e por isso o mais cobiçado. Publicamente, Di Maio não se inclina nem para a Liga nem para o Partido Democrático. A próxima terça-feira será crucial, sobretudo porque o relógio não para e, sem acordo, a solução é dissolver as duas câmaras do parlamento o mais depressa possível - provavelmente logo na quarta-feira - e marcar eleições antecipadas no mais curto espaço de tempo para evitar graves consequências para a economia do país."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Possível nova coligação em Itália

Presidente Mattarella aceita pedido de demissão de Giuseppe Conte

Governo italiano declara estado de emergência para lidar com migrantes