Última hora
This content is not available in your region

"Orphée aux Enfers" no palco do Festival de Salzburgo

"Orphée aux Enfers" no palco do Festival de Salzburgo
Tamanho do texto Aa Aa

O clássico "Orphée aux Enfers", de Jacques Offenbach subiu ao palco do Festival de Salzburgo. Barrie Kosky decidiu reinventar a famosa ópera, numa produção atrevida e ousada, com muito movimento, tal como o original de 1858.

A opereta sobre frustração conjugal, raiva e tédio, foi um espetáculo de humor onde as gargalhadas foram inevitáveis.

A Euronews acompanhou o espetáculo, onde a mitologia grega encontra o cancan, a dança francesa que serviu de inspiração a Jacques Offenbach no "Orphée aux Enfers", uma paródia da antiguidade clássica.

Joel Prieto foi o tenor da recriação, o Orphée da obra. Prieto contou à Euronews que esta obra continua moderna, mesmo nos dias de hoje.

"Esta ópera está tão à frente do seu tempo! Tem a ver com libertação sexual, com a santidade do casamento...Quase que o ridiculariza.", diz Joel Prieto.

"A primeira cena entre Eurydice e Orphée é uma luta num casamento que está arruinado. Eles odeiam-se.", diz Prieto, sobre uma cena intensa entre o casal - Eurydice, interpretada por Kathryn Lewek, e Orphée - (como se vê abaixo).

Na obra, Eurydice desafio o tempo. É uma mulher moderna que quer escolher o próprio destino e os próprios amantes.

"Existe um sentimento de libertação nela que é irresistível", contou à Euronews Kathryn Lewek, a protagonista Eurydice.

"Especialmente se pensarmos em feminismo em 2019, é uma luta continua, mas, em 1858, este conceito era completamente novo.", disse.

A cantora admite que o maior desafio foi cantar durante toda a encenação. "O maior desafio é o exercício físico que tenho de fazer em palco em simultâneo com o soar bem. Às vezes saio do palco e estou ofegante, a suar. E depois, tenho de regressar ao palco e manter aquela energia durante todo o espetáculo. É o maior desafio.", conta Kathryn Lewek.

A soprano admite que a parte favorita é o clássico _cancan. _

"Musicalmente, devo dizer que a minha parte favorita é o fim. Eurydice tem um momento libertador onde está a tocar com os dançarinos, há pirotecnias vocais e visuais... E, claro, o cancan, que é tão icónico. É incrível ouvi-lo no palco e ouvi-lo aqui, dentro da ópera original.", concluiu.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.