A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Agência Internacional confirma violação do Irão ao acordo nuclear

Agência Internacional confirma violação do Irão ao acordo nuclear
Direitos de autor
Reuters
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Irão continua a violar os limites de enriquecimento de urânio impostos pelo acordo nuclear de 2015. A conclusão é avançada pelo último relatório da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), publicado esta sexta-feira.

Num relatório trimestral distribuído aos Estados membros, a AIEA refere que as reservas iranianas de urânio pouco enriquecido atingiam a 19 de agosto os 357 quilogramas, ou seja, 57 quilogramas acima do limite previsto.

Os indicadores mostram também que o Irão continua a enriquecer urânio acima dos 3,67%, como estabelece o pacto, e que atualmente o nível de enriquecimento atinge os 4,5%.

O incumprimento já havia sido assumido pelo Irão, no que foi visto pelos analistas como uma manobra de pressão sobre os países que assinaram o acordo para ajudarem Teerão a fazer face às sanções dos Estados Unidos.

Donald Trump anunciou em maio de 2018 a saída unilateral do acordo e decretou duras sanções económicas, elevando a tensão entre os dois países.

O documento da AIEA adianta ainda que o regime iraniano tem permitido aos inspetores das Nações Unidas a fiscalização das instalações nucleares.

Um dos últimos braços de ferro entre os dois países está ligado a um petroleiro iraniano que esteve retido cinco semanas em Gibraltar. Os Estados Unidos acusam o navio de estar a transportar petróleo iraniano para a Síria, em violação das sanções.

O porto turco de Iskenderum, 200 kms a norte da Síria, é tido como o destino final. No entanto, as autoridades turcas asseguram que o navio está a caminho do Líbano.

Para Washington, o petróleo serve para financiar as forças armadas do Irão, como resposta às sanções americanas ligadas ao programa nuclear.