A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Domingo de violência e diplomacia em Hong Kong

Domingo de violência e diplomacia em Hong Kong
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Depois de um sábado de manifestações mais moderadas, a violência voltou às ruas de Hong Kong, com a polícia a usar gás lacrimogénio e canhões de água contra os manifestantes e a ser atacada com tijolos e bombas incendiárias.

Os protestos mais violentos decorreram junto da assembleia legislativa. Como tem sido hábito desde junho, muito mobiliário urbano foi destruído.

Os manifestantes queimaram uma bandeira comemorativa do Dia da República Popular da China que se celebra a 1 de Outubro.

Enquanto isso, milhares de pessoas caminharam para o consulado da Grã-Bretanha para pedirem a Londres que faça mais para proteger os habitantes da sua antiga colónia. Os manifestantes empunhavam bandeiras britânicas e a antiga bandeira de Hong Kong enquanto colónia britânica.

Junto ao consulado foi cantado "God Save the Queen", o hino do Reino Unido. Os manifestantes deixaram uma petição dirigida ao consul britânico.

Muitos manifestantes pedem que possa ser atribuída aos cidadãos de Hong Kong que o solicitem a nacionalidade britânica ou de outro país da Commonwealth.

Londres nunca se pronunciou sobre o assunto. 130 deputados britânicos assinaram, na semana passada, uma carta aberta pedindo aos países da Commonwealth que recebam os honcongueses que queiram emigrar.

De acordo com a declaração sino-britânica de 1984, até 2047 Hong Kong é uma região semi-autónoma regida pelo princípio "Um país, dois sistemas", que goza de liberdades que a China continental não conhece.

Os manifestantes pró-democracia acusam Pequim de fazer do acordo com Londres letra morta e alarga cada vez mais o controlo político, recusando mesmo um verdadeiro sufrágio universal direto.

O território está a ser palco de manifestações e protestos violentos desde junho, altura em que a assembleia legislativa local aprovou um decreto-lei que permitia a extradição para a China continental. Sob a pressão da rua, o diploma foi abandonado pelo governo, mas o movimento continuou, com milhares de pessoas a exigirem agora mais democracia e mais independência.