A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Conselho Europeu debate ativação de Artigo 7º contra Hungria

Conselho Europeu debate ativação de Artigo 7º contra Hungria
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Foi há um ano que os eurodeputados votaram a favor da ativação do Artigo 7º contra a Hungria.

Trata-se do instrumento mais poderoso à disposição da União Europeia contra países que violam os chamados Valores Europeus.

Esta segunda-feira, o Conselho Europeu, atualmente sob presidência da Finlândia, deu o primeiro passo e convocou uma audiência para debater esta questão.

"Espero que seja possível acelerar o processo porque a demcoracia europeia já sofreu bastantes danos, assim como o estado de direito e os direitos fundamentais. Acho que também cria um mau precedente. Penso que é importante que a UE reaja de forma mais rápida e eficaz quando os valores europeus são violados", afirma a eurodeputada holandesa, Sophie in 't Veld, do Grupo Renew Europe.

Há um ano, um relatório produzido por eurodeputados criticava as alterações no sistema eleitoral da Hungria, o domínio do partido sobre as instituições, a corrupção sistémica e a violação da liberdade de imprensa.

Se Budapeste insistir nesta via, as consequências podem vir a custar caro ao governo de Viktor Órban.

Klara Dobrev, uma eurodeputada húngara da oposição, alerta para as consequências.

Existem novos regulamentos relativos a uma lei que se aplicará a partir de 2021 segundo os quais o estado de direito e democracia são pré-requisitos para aceder a fundos europeus. Se Viktor Orban não alterar as suas políticas, os financiamentos para a Hungria poderão ser suspensos", adianta.

À chegada ao encontro esta segunda-feira em Bruxelas, a ministra húngara da Justiça afirma que este processo é uma caça às bruxas.

"Vim aqui defender a Hungria. Espero que os estados-membros evitem situações de dois pesos, duas medidas e que provem que este procedimento não é uma caça às bruxas", disse Judit Varga, ministra da justiça húngara.

A audiência desta segunda-feira foi o primeiro passo num processo que pode levar anos até à conclusão.