A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

UNITA prepara-se para eleger o 3.º Presidente na história do partido

UNITA prepara-se para eleger o 3.º Presidente na história do partido
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A UNITA, maior partido na oposição em Angola fundado por Jonas Savimbi em 1966 prepara-se para eleger o seu terceiro presidente durante o 13 congresso ordinário a ter lugar em Luanda entre os dias 13 e 15 de Novembro

Depois de quatro mandatos Isaías Samakuva presidente cessante da União Nacional para a Independência Total de Angola deixa a liderança do partido, mas já anunciou que vai continuar na politica ativa

Em conferência de imprensa concedida aos jornalistas esta terça-feira, Isaías Samakuva Presidente cessante da UNITA manifestou a sua indignação perante as análises e conteúdos publicados pelos jornalistas relativamente ao seu silêncio sobre uma possível candidatura para quinto mandato.

Faltam pouco mais de trinta dias para terminar o seu mandato, mas Isaías Samakuva não descartou a possibilidade de concorrer nas próximas eleições autárquicas.

Cinco pré-candidatos formalizaram as suas candidaturas. Caso venham a ser validadas, passam a concorrer ao cadeirão máximo do partido. Por ordem alfabética são eles:

Abílio Camalata com 64 anos, membro da comissão política e do comité permanente da UNITA.

Adalberto da Costa Júnior, com 57 ocupa o cargo de presidente do Grupo parlamentar da UNITA .

Alcides Sacala com 65 anos até ao momento exerce o cargo de secretário para as relações exteriores da UNITA e porta-voz do partido.

Estêvão Kachiungo com cinquenta e cinco anos desempenha a função de Vice-Presidente do grupo parlamentar da UNITA

E Raúl Danda com 62 anos desempenha a função de Vice presidente da UNITA

O analista político Alexandre Solombe considera que o número de candidaturas voluntárias pode passar a imagem de um partido fraturado.

De acordo com Alexandre Solombe, ao irem cinco candidatos cada um representando vontade a UNITA corre o risco de passar uma mensagem de um partido fraturado. Relativiza a sua opinião mas acrescenta que uma concertação interna propiciaria um candidato a altura, e espelharia a vontade e consenso de todos.

Questionado sobre qual dos cinco pré-candidatos tem mais hipóteses de ocupar o cadeirão máximo da UNITA, Alexandre Solombre exemplifica que o pré-candidato Adalberto da Costa Júnior, é o que representaria mais votos junto do novo perfil de eleitores que vão às urnas nas presidenciais de 2022

O último congresso da UNITA aconteceu em dezembro de 2015 na presença de 1.165 delegados, que reelegeram Samakuva como líder com 949 votos.