Última hora

Califórnia: Incêndio "Kincade" é o mais crítico para os bombeiros

Califórnia: Incêndio "Kincade" é o mais crítico para os bombeiros
Direitos de autor
REUTERS/ Gene Blevins/File Photo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As autoridades tinham deixado o aviso de que os incêndios na Califórnia iriam piorar e assim aconteceu.

Os famosos 'ventos de Santa Ana' vieram descontrolar as chamas e tornar o trabalho dos bombeiros ainda mais difícil.

Milhões de pessoas continuam sem eletricidade, depois das distribuidoras decidirem cortar a energia para que não houvesse novos focos de incêndio, provocados pela corrente elétrica.

Foram evacuados bairros inteiros, incluindo no centro de Los Angeles, devido ao Incêndio 'Getty'. A situação mais crítica é o incêndio "Kinkade", no Condado de Sonoma. O fogo lavra há seis dias consecutivos, já consumiu 60 casas e 76 mil hectares.

O "The Weather Channel", o canal de meteorologia mundial, partilhou uma imagem digital onde se vê, a vermelho, os incêndios mais críticos do estado californiano, o de 'Kincave', em Sonoma e o Incêndio 'Getty', perto de Los Angeles. Na imagem pode ver-se também, a azul, a movimentação provocada pelos 'ventos de Santa Ana'.

Na legenda, o "The Weather Channel" escreve: "Os fortes ventos de Santa Ana estão a desenvolver-se esta manhã no sul da Califórnia, criando uma situação perigosa de incêndio."

"Ventos de Santa Ana", o que são?

São correntes de ar, descendentes e extremamente secas que se originam no interior do estado da Califórnia e afetam o litoral sul do estado e o norte do estado mexicano Baixa Califórnia.

Os "ventos de Santa Ana" são criados em massas de ar de alta pressão. São conhecidos pelo clima quente e seco que trazem no Outono, mas também podem surgir durante outras épocas, como na Primavera ou no Verão. Como são responsáveis por níveis de humidade muito baixos e massas de ar quente, podem criar condições críticas de clima de incêndio. Há quem lhe chame "ventos do diabo".

Eis como atuam:

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.