Última hora

Nova lei de controlo da internet entra em vigor na Rússia

Nova lei de controlo da internet entra em vigor na Rússia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Uma internet isolada dos grandes servidores mundiais, com filtros de conteúdo. Entrou em vigor esta sexta-feira na Rússia uma polémica lei que regula os acessos à internet.

Quando foi aprovada no parlamento, em abril deste ano, o governo de Vladimir Putin explicou que esta medida pretende garantir o funcionamento dos recursos da internet russa caso as operadoras do país não consigam conectar-se com os servidores estrangeiros.

A Rússia põe em prática algo que já acontece na Arábia Saudita, Turquia e China. Os operadores devem garantir que as redes têm meios para permitir o controlo centralizado do tráfego, ou seja, o governo pode bloquear o acesso a sites e filtrar os conteúdos.

Sarkis Darbinyan é especialista da Roskomsvoboda, ma organização não governamental russa que suporta redes abertas de auto-regulação e proteção dos direitos digitais dos usuários da Internet. Sarkis acredita que "esta lei segue a tendência que temos vindo a observar nos últimos sete anos. É um movimento no sentido de restringir o espaço na internet, que assusta as autoridades. Este pacote de leis vai permitir ao Serviço Federal Russo de Supervisão de Comunicações, Tecnologia da Informação e Meios de Comunicação de Massa, mais conhecido como Roskomnadzor, ter um maior controlo do trágefo, com a desculpa de que quer proteger o país de ataques cibernéticos".

A entrada em vigor destas novas regras não foi muito divulgada pelos meios de comunicação russos.

Isso explica a falta de consciência do impacto da lei, nas ruas de Moscovo.

De qualquer forma, e de acordo com os especialistas, este bloqueio dificilmente terá a mesma eficácia que a Grande Muralha virtual chinesa. Isto porque, ao contrário do que acontece no país asiático, a internet russa nasceu para ser aberta. Na China, a legislação do Partido Comunista impôs as restrições com filtro pelas empresas de telecomunicações locais desde o início, em 1996.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.