Última hora

Ativistas sobre clima entram "furtivamente" no Parlamento Europeu

Ativistas sobre clima entram "furtivamente" no Parlamento Europeu
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Jovens ativistas em defesa de melhor política climática conseguiram entrar no Parlamento Europeu, quarta-feira, em Bruxelas, para espanto e desconforto de alguns eurodeputados.

Deitaram-se no chão, simbolizando as vítimas fatais das alterações climáticas. Alguns eurodeputados ignoraram o protesto, mas outros mostraram-se mais disponíveis para ouvir as reivindicações.

"Está bem para mim, não causam disrupção porque podemos passar para a sala da nossa reunião. Mas chamou minha atenção e a atenção do meu colega", disse Shaffaq Mohammed, eurodeputado liberal britânico.

"O mais importante é o que se faz na legislação. Mas é claro que estas cenas dramáticas, às vezes, chamam mais a atenção", afirmou Corina Creţu, eurodeputada socialista romena.

O grupo entrou no Parlamento Europeu com a cumplicidade de pessoas que querem ficar anónimas, mas que consideram que estes jovens - alguns com apenas 14 anos - devem ter maior acesso aos legisladores.

A mensagem é, como habitualmente, a necessidade de agir de forma urgente.

"Viemos hoje aqui para mostrar que há falta de ambição, de recursos financeiros e de garantias para fazer a transição no interesse da sociedade", disse a ativista Jada Kennedy.

No final, os ativistas acabaram por ser convidados a entrar na sala de reuniões onde se debatia este tema e foram-lhes dados três minutos para intervir.

"A minha colega falou deste acordo verde europeu da treta. Eu também disse que o acordo é apenas uma campanha de lavagem verde porque, na verdade, o que o acordo verde europeu promete fazer não é suficiente", afirmou o ativista Timothee Galvaire.

A implementação deste acordo foi entregue ao principal vice-presidente da futura Comissão Europeu, Frans Timmermans, que deverá encontrar a estratégia e os recursos para fazer políticas mais sustentáveis na produção e consumo europeus.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.