Última hora

Erupção na Nova Zelândia faz cinco mortos e dezenas de desaparecidos

Erupção na Nova Zelândia faz cinco mortos e dezenas de desaparecidos
Tamanho do texto Aa Aa

Mais de 20 pessoas continuam desaparecidas, na Ilha Branca, na Nova Zelândia, após a erupção, esta segunda-feira, do vulcão conhecido como Whakaari.

Há pelo menos cinco mortos e mais de vinte feridos.

As autoridades neozelandesas informaram "não acreditar" que haja mais sobreviventes na pequena ilha.

Um casal de turistas brasileiros estava na região e partilhou, nas redes sociais a experiência.

"Por causa do ar, da água quente... Todas as pessoas estavam com queimaduras, alguns estavam gravemente queimados, outros um pouco menos e não tenho a certeza se conseguiram salvar todas as pessoas, esperamos que sim. Estivemos lá por muito tempo, o vulcão ainda estava ativo, mas a erupção já tinha ocorrido", conta Aline Moura.

De acordo com as autoridades, um grupo de turistas foi visto perto da cratera do vulcão minutos antes da erupção, às 14 horas locais, 1 da manhã em Lisboa.

A Ilha Branca fica a cerca de 50 quilómetros da costa este da ilha Norte da Nova Zelândia.

A erupção provocou uma coluna densa de fumo com centenas de metros de altura, visível a dezenas de quilómetros de distância.

Segundo as autoridades, as operações de socorro e resgate envolveram sete helicópteros. Com o cair da noite, foram suspensas. Segundo a polícia, não existem condições que garantam a segurança das equipas de socorro.

"Os serviços de emergência não conseguem aceder à ilha. Existem possibilidades de novas erupções, mas na realidade o ambiente físico não é seguro", refere o comissário da polícia neozelandesa, John Tims.

As autoridades informaram que, no início da manhã de terça-feira, irão enviar drones, à ilha, para analisar a situação.

Estima-se que estejam no local cerca de 27 pessoas de diversas nacionalidades.

O vulcão da Ilha Branca é um dos mais ativos da Nova Zelândia e uma das maiores atrações turísticas do país. Há visitas diárias à cratera.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.