EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Governo italiano garante que resgate a banco respeita regras da UE

Governo italiano garante que resgate a banco respeita regras da UE
Direitos de autor Aris Oikonomou, Pool Photo via AP
Direitos de autor Aris Oikonomou, Pool Photo via AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Governo italiano decidiu injetar 900 milhões de euros para resgatar da falência o banco Popolare di Bari

PUBLICIDADE

O governo italiano decidiu injetar 900 milhões de euros para resgatar da falência o banco Popolare di Bari, fundado há sessenta anos como o primeiro grupo de crédito cooperativo do sul do país.

Após o anúncio da decisão, o primeiro-ministro Giuseppe Conte tentou evitar a controvérsia:

"Queremos proteger os clientes e não pretendemos fazer qualquer concessão aos banqueiros, que são responsáveis por estas circunstâncias alarmantes."

Mas a polémica está lançada e a questão é agora se não se trata de uma nova violação das regras europeias que restringem as ajudas estatais ao sistema bancário.

Karel Lannoo, diretor-executivo do Centro de Estudos de Políticas Europeias: "Cabe à Comissão interpretar as regras de forma estrita e dizer: trata-se de um caso de ajuda estatal. Se queremos, como objetivo global, ter um mercado competitivo, devemos aplicar as regras tal como são. Não é apenas contra a Itália ou neste caso. Vimos isso há duas semanas na Alemanha, com o Nord/LB. E não é o único caso na Alemanha."

Numa entrevista, o ministro italiano dos Assuntos Regionais, Francesco Boccia, garantiu que a decisão do governo "respeita todas as regras da União Europeia".

O Popolare di Bari foi colocado na passada sexta-feira sob administração especial por parte do Banco de Itália.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Uma demissão no "sapatinho" de Conte

Porto de Trieste vai resistindo ao impacto dos ataques dos Houthis no Mar Vermelho

Turismo aumenta em Itália apesar da inflação e da incerteza diante das guerras