Última hora
This content is not available in your region

France Telecom condenada por assédio moral

France Telecom condenada por assédio moral
Direitos de autor
EN
Tamanho do texto Aa Aa

Era um julgamento muito esperado. O Tribunal de Paris decidiu condenar os antigos patrões da France Telecom, depois de dezenas de suicídios entre os funcionários. Quatro meses de prisão para Didier Lombard, ex-presidente da empresa pública de telecomunicações. Assim como para o número dois, Louis Pierre Wenes, e para o diretor de recursos humanos, Olivier Barberot.

O juiz considerou que houve assédio moral - um alívio para as famílias das vítimas.

Responde a uma pergunta que foi a questão fundamental deste processo. Podemos fazer este tipo de coisas? Podemos levar as pessoas ao suicídio ou à depressão, para ganhar dinheiro? Pelo menos, temos uma primeira resposta da justiça que é: não, não é possível e, se alguém o fizer, será condenado.
Filho de uma das vítimas
Com esta decisão, finalmente compreendemos como gerir os funcionários das empresas e é uma garantia que os erros da France Telecom não voltarão a acontecer.
Jean-Paul Teissonière
Advogado das vítimas

Didier Lombard liderou a privatização da FranceTelecom, atual Orange, entre 2007 e 2008. Para reduzir 22 mil postos de trabalho foi implementado um plano de restruturação e as chefias tornaram-se significativamente mais duras para com os funcionários - o que provocou uma vaga de suicídios.

O que é extremamente difícil para nós é que ainda mantemos a memória dos colegas desaparecidos, porque vi um colega morrer ao atirar-se do 5º andar e a sentença resume-se a alguns meses na prisão e algumas dezenas de milhares de euros em multas.
Sébastien Crozier
Sindicato - Orange

Este julgamento abre um precedente porque é o primeiro do género. Do lado dos réus a decisão foi mal recebida.

É uma decisão política, totalmente demagógica. Os juízes exageraram na condenação, lamento... E não estão lá para isso, mas sim para fazer cumprir a lei.
Jean Veil
Advogado de Didier Lombard

A empresa foi multada em 75 mil euros e todos os antigos patrões da antiga France Telecom vão recorrer da sentença.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.