Países das vítimas de avião abatido dizem que Irão tem de assumir responsabilidades

Países das vítimas de avião abatido dizem que Irão tem de assumir responsabilidades
Direitos de autor AP
Direitos de autor AP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os Governos dos cinco países que perderam cidadãos quando o Irão derrubou o avião ucraniano no dia oito de janeiro, querem que Teerão "assuma todas as responsabilidades", pague indemnizações às famílias das vítimas, e exigem uma "investigação criminal independente".

PUBLICIDADE

Os Governos dos cinco países que perderam cidadãos quando o Irão derrubou o avião ucraniano no dia oito de janeiro, querem que Teerão "assuma todas as responsabilidades", pague indemnizações às famílias das vítimas, e exigem uma "investigação criminal independente".

As exigências surgiram, esta quinta-feira, após uma reunião em Londres, dos chefes da diplomacia das nações envolvidas.

"Estamos aqui para obtermos algum tipo de encerramento, de responsabilização, de transparência e de justiça para as vítimas... Ucranianas, suecas, afegãs, britânicas, canadianas, assim como as iranianas... Para termos uma investigação internacional completa e transparente", sublinhou o ministro canadiano dos Negócios Estrangeiros Franois-Philippe Champagne.

A bordo da aeronave da Ukraine International Airlines, abatida por um míssil iraniano após levantar voo do aeroporto de Teerão, seguiam 176 pessoas.

Inicialmente, as autoridades iranianas afirmaram ter sido uma falha técnica, antes de reconhecerem, perante provas que a Guarda Revolucionária paramilitar tinha derrubado acidentalmente o avião

O Irão convidou a Ucrânia, o Canadá, os Estados Unidos da América e a França para participarem na investigação.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Irão admite ter lançado dois mísseis contra avião ucraniano

Como os drones "kamikaze" Shahed do Irão estão a ser utilizados na Ucrânia

Líder supremo do Irão admite poucos danos no ataque a Israel: "O que importa é a vontade iraniana"