Última hora
This content is not available in your region

Reino Unido prepara futuro acordo comercial com Austrália

euronews_icons_loading
Reino Unido prepara futuro acordo comercial com Austrália
Direitos de autor  Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

O chefe da diplomacia britânica, Dominic Raab, não perde tempo nos esforços para negociar futuros acordos de livre comércio, nomeadamente com a Austrália.

Essa é uma prioridade, logo que o Brexit dê lugar a uma efetiva separação do Reino Unido da União Europeia, prevista para 31 de dezembro.

"Temos falado muito sobre a Grã-Bretanha Global, no momento em nos preparamos para deixar a União Europeia. Temos uma visão para o país ambiciosa, autoconfiante e assumidamente global", disse Raab, em conferência de imprensa, ao lado da homóloga australiana.

Contudo, o Reino Unido ainda tem de chegar a acordo com a União Europeia sobre uma futura parceria comercial e política para evitar o Brexit desordenado, com potenciais perdas económicas avultadas para ambas as partes.

E se bem que a União Europeia, também, esteja a negociar um acordo comercial com a Austrália, não deve assumir-se esse processo como um modelo futuro para o Reino Unido, afirma Pascal Lamy, ex-diretor-geral da Organização Mundial do Comércio.

Em que divisão comercial quer jogar o Reino Unido?

"Não temos um acordo australiano, ainda não existe. Digamos que há uma espécie de loja de acordos comerciais onde se encontra grande variedade de modelos para escolher. Também posso usar o exemplo do futebol que tem primeira, segunda, terceira e quarta divisão", explicou, em entrevista à euronews.

"Atualmente, o Reino Unido está na primeira divisão com a União Europeia, como comércio totalmente aberto, é o melhor regime, com igualdade de condições e sem fronteiras. Mas agora, em que divisão vai o Reino Unido querer jogar face à Europa? Cabe-lhes decidir. Da primeira à quarta divisão tem muito por onde escolher", concluiu.

EUA, Canadá, Japão são outras potências com as quais o Reino Unido tem grande vontade de jogar na primeira divisão, mas enquanto não resolver o processo com a União Europeia estará limitado na capacidade negocial.