Última hora
This content is not available in your region

Mestria de Rembrandt e o 'século de ouro' holandês brilham em Madrid

euronews_icons_loading
Mestria de Rembrandt e o 'século de ouro' holandês brilham em Madrid
Direitos de autor  ap video
Tamanho do texto Aa Aa

Nome maior na história da pintura, Rembrandt foi um mestre na arte do retrato e conduz-nos agora numa exposição inédita que é também um retrato da idade de ouro dos Países Baixos.

"Rembrandt e o Retrato em Amesterdão, 1590-1670" é o nome da exposição promovida pelo Museu Thyssen, em Madrid, que junta na capital espanhola cerca de uma centena de obras do mestre holandês e de outros 35 pintores contemporâneos.

Numa busca pela cumplicidade com o público, Rembrandt revoluciona o género. Com o seu traço, os retratos ganham uma nova frescura de movimentos e uma densidade emocional nunca antes vistas.

"Acreditamos que Rembrandt, como a maioria de seus contemporâneos, também fez autorretratos para se promover. Era uma ferramenta de marketing", afirma Norbert E. Middelkoop, curador do Museu de Amesterdão.

E quando a revolução que iniciou começou a ser influenciada pelo estilo francês de retrato , mais colorido, Rembrandt continuou fiel a si mesmo, acentuando a técnica claro-escuro e registos mais monocromáticos.

"Encontramos o que pode ser tristeza, o que pode ser desânimo... Mas também, é claro, encontramos alegria. São personagens que sempre meditam, que sempre encaram o espectador e sempre nos dizem algo", explica María del Mar Boronia, curadora no Museu Thyssen-Bornemisza.

A exposição no Thyssen foi possível graças à colaboração com o Museu de Amesterdão e a empréstimos do Metropolitan Museum of Art, do Hermitage, da Galeria Nacional de Washington e de colecionadores particulares.

"Rembrandt e o Retrato em Amesterdão, 1590-1670" pode ser vista no Museu Thyssen até 24 de maio.