Última hora
This content is not available in your region

Italianos escandalizados com estado dos viadutos e pontes

euronews_icons_loading
Italianos escandalizados com estado dos viadutos e pontes
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Com o colapso da ponte Moranti, em Génova, os italianos descobriram que, durante décadas, circularam em túneis e viadutos perigosos, que não foram inspecionados devidamente e que não garantem a segurança da população.

"É preciso ser corajoso para conduzir numa autoestrada da Ligúria", disse à euronews Luca Ternavasio, fundador da Autostrade Chiare, uma associação de cidadãos que exige justiça e transparência em relação ao estado das autoestradas italianas. 60 mil pessoas aderiram ao grupo, desde dezembro de 2019.

euronews
Luca Ternavasio, fundador do Grupo de Cidadãos Autostrade Chiareeuronews

Degradação das estradas gera escândalo nacional

O estado de degradação das autoestradas italianas tornou-se num escândalo nacional. Estão a ser inspecionadas vinte pontes danificadas. Há duzentos túneis ilegais que não respeitam as normas europeias.

A Ligúria possui numerosos viadutos e túneis e é o epicentro do escândalo. "Há um ano e meio, um viaduto ruiu, morreram 43 pessoas. Nos últimos dois meses, caíram duas toneladas e meia de entulho de um túnel. É arriscado conduzir na Ligúria", frisou Luca Ternavasio.

Uma série de incidentes interligados

O colapso do viaduto Morandi, em agosto de 2018, pôs a nu as interligações entre uma longa série de incidentes recentes. Em 2016, um viaduto da região de Milão ruiu sob o peso de um camião. Uma pessoa morreu. Em 2017, caiu uma ponte perto de Ancona. Duas pessoas morreram. Os dois últimos acidentes ocorreram na Ligúria. Um deslizamento de terras provocou o colapso de uma ponte na autoestrada A6. Em dezembro, perto de Génova, o teto de um túnel da A26 ruiu. Por sorte, não houve vítimas.

A autoestrada que liga Savona a Turim é uma das vias perigosas. A euronews entrevistou Paolo Forzano, o engenheiro que alertou para o estado de degradação dos viadutos na região. "As falhas na manutenção desta estrada ocorrem há décadas. Desde a construção da estrada, nunca houve manutenção. Precisamos de dados técnicos para certificar se a infraestrutura é segura e se podemos confiar nela", afirmou Paolo Forzano, o engenheiro que lançou o alerta sobre o estado de degradação dos dos viadutos da região.

euronews
Paolo Forzano, antigo engenheiro que alertou para a degradação dos viadutoseuronews

O medo permanente da população

As pessoas que passam pelo viaduto de Bisagno vivem num estado de medo permanente. A ponte é considerada sólida do ponto de vista estrutural, mas deverá ser alvo de obras durante três anos e meio. Chiara Ottonello vive na região há doze anos mas está a pensar seriamente em ir embora.

"Aqui está o viaduto. O nosso prédio foi construído em 1925 e a ponte foi inaugurada em 1967. A ponte está a desmoronar-se sobre as nossas cabeças. Temos medo de viver aqui", contou Chiara Ottonello, residente de Val Bisagno. "Esta é a nossa coleção de detritos caídos da ponte. Caíram sobre as nossas casas, jardins e hortas, sítios onde deveríamos viver tranquilos e em segurança. Este é apenas uma parte da calha de três metros que caiu em cima da paragem do autocarro. Aqui temos uma cavilha que tem o seu próprio código. Já é a terceira que encontramos", acrescentou a moradora.

A desconfiança é um sentimento generalizado. "Em relação à ponte Morandi também se dizia que estava tudo bem e a ponte caiu. Temos aqui pontes com problemas muito similares. É por isso que não acreditamos nas concessionárias das autoestradas", explicou Luca Ternavasio.

euronews
Chiara Ottonello vive numa zona de risco e quer mudar de casaeuronews

Mentiras, fraudes e omissões

Depois do drama, a população ficou a saber que a principal concessionária italiana, Autostrade per l'Italia, mentiu durante anos sobre o estado das infraestruturas, nomeadamente em relação à ponte Morandi. Hoje, está a ser construído um novo viaduto, ao lado do antigo.

"A partir do caso da ponte Morandi, investigámos a forma como as inspeções eram feitas e encontrámos em todo o lado o mesmo esquema de fraudes. Algumas inspeções foram apenas parcialmente realizadas. Noutros casos, os documentos eram falsos. E isto aconteceu antes e depois da queda da ponte Morandi", disse à euronews Ivan Bixio, um dos principais responsáveis pela investigação da Guarda Financeira Italiana.

Os magistrados descobriram que a concessionária Autostrade per l’Italia, subcontratou uma empresa para inspecionar as infraestruturas. Ninguém verificou se o trabalho tinha sido realizado.

euronews
Ivan Bixio, responsável pela investigação da Guarda Financeira Italianaeuronews

Concessionárias financiam partidos políticos

O Estado italiano assinou 25 contratos de concessão de autoestradas. A Autostrade per l’Italia é a maior concessionária nacional, responsável por três mil quilómetros de autoestradas. A empresa é controlada pela Atlantia, detida pela família Benetton.Tal como outras concessionárias, a empresa financia partidos de vários espetros políticos.

"O governo não fez o que devia fazer, a começar pelas concessões acordadas em 2007. O acordo de concessão diz literalmente que mesmo em caso de insolvência ou negligência total da parte da concessionária, o governo deve reembolsar os lucros da empresa, até ao final do contrato. É uma como dar um cheque de 20 mil milhões de euros a uma empresa privada que gere um bem público. É um contrato que nunca ninguém assinaria", frisou Luca Ternavasio.

Ministério não possui meios para inspecionar obras

O governo italiano admite suspender a concessão da Autostrade per l'Italia e pretende reforçar as inspeções. Criou uma agência que deverá monitorizar as autoestradas mas que não tem meios para trabalhar. O dirigente da estrutura não poupa críticas ao Ministério das Infraestruturas e Transportes.

"Por lei, as verificações técnicas são uma responsabilidade das concessionárias. O número de técnicos no ministério é muito reduzido porque não é suposto fazermos este tipo de atividade. São inspeções consideradas 'de natureza extraordinária'", disse à euronews Felice Morisco, Diretor do Departamento de Supervisão das autoestradas.

euronews
Felice Morisco, Diretor do Departamento de Supervisão das Autoestradas Italianaseuronews

Infraestruturas rodoviárias precisam de obras colossais

Entretanto, a nova ponte de Génova está a ser construída a um ritmo acelerado. Deverá ser inaugurada na primavera. As obras foram pagas pela Autostrade per l’Italia. A concessionária quer limpar a sua imagem. Há cerca de cem obras em curso nas autoestradas da Ligúria. O montante do plano de investimento da empresa para os próximos quatro anos é três vezes superior ao previsto.

As obras nos túneis começaram há um mês. "Podemos estimar que, daqui a três, quatro ou cinco meses, estaremos a verificar todos os túneis. Tanto os que foram construídos entre 1930 e 1979 que nunca foram impermeabilizados como os que foram construídos a partir de 1980 que são estanques mas não têm sistema de drenagem das águas", afirmou Alessadro Damiani, diretor técnico do Serviço de Engenharia da Lombardia.

Mas as obras não convencem a população. O receio de que ocorram novas tragédias, como a de Génova, alimenta um sentimento de desconfiança face ao Estado e às concessionárias das autoestradas.