Última hora
This content is not available in your region

Covid-19 pinta de vermelho quadros das principais bolsas mundiais

euronews_icons_loading
Quadro a vermelho no mercado bolsista de Hong Kong
Quadro a vermelho no mercado bolsista de Hong Kong   -   Direitos de autor  AP Photo/Kin Cheung
Tamanho do texto Aa Aa

As bolsas europeias voltaram a abrir esta sexta-feira no "vermelho" devido aos receios provocados pelo impacto global do surto do novo coronavírus.

Em Lisboa, o PSI20, depois de ter fechado quinta-feira a cair 2,2 por cento, chegou a estar a descer mais de três por cento. Em Madrid, o IBEX aproximava-se dos quatro por cento negativos, tal como índice CAC40 em Paris.

Tudo devido à pressão sobretudo da banca, ao impacto em serviços como os transportes aéreos e em linha com o ocorrido em Wall Street (Dow Jones fechou na quinta-feira a cair 3,58 por cento) e com as últimas horas dos principais mercados asiáticos (Tóquio e Hong Kong, por exemplo, fecharam a perder respetivamente 2,72 e 2,32 por cento).

Louis Wong, diretor da Philip Capital Management, explica-nos que "os mercados continuam a revelar algum nervosismo devido à preocupação dos investidores de que os Bancos Centrais por todo o mundo possam não conseguir gerir a propagação nem conter os impactos económicos deste novo coronavírus".

Para tentar minimizar os impactos do surto, o Fundo Monetário Internacional abriu uma linha de apoio de 50 mil milhões de euros para os países afetados pelo Covid-19.

O Banco Central Europeu também já começou a agir contra o surto e deu esta semana instruções aos reguladores de cada Estado-membro para implementarem planos de contingência.

Os investidores, por outro lado, preferem jogar à defesa e estão a privilegiar a aposta em ativos seguros como o ouro e as obrigações soberanas.