Última hora
This content is not available in your region

Floresta virgem da Roménia em perigo

euronews_icons_loading
Floresta virgem da Roménia em perigo
Direitos de autor  AP
Tamanho do texto Aa Aa

Nas montanhas dos Cárpatos, no norte da Roménia, encontra-se uma das últimas florestas virgens da Europa.

É aqui que, segundo os locais, funciona a operação da máfia madeireira que além de dizimar centenas de hectares de floresta, tem vindo a eliminar todos aqueles que se lhe opõem.

De acordo com as autoridades locais, cerca de 20 milhões de metros cúbicos de madeira são cortados ilegalmente todos os anos na Roménia.

Isto é mais do que o volume legalmente explorado. Aqueles que se atrevem a denunciar o tráfico pagam caro por isso. Desde 2014,185 silvicultores foram agredidos fisicamente. Seis foram mortos.

Apesar do risco, um guarda-florestal aceita falar à euronews.

"Quando um empreiteiro participa num concurso, ele compra uma certa quantidade de madeira. Depois combina com o engenheiro que vai marcar as árvores na floresta. As quantidades de madeira cortada são superiores ao que foi declarado. Os volumes estão marcados nos registos. O responsável florestal que supervisiona tudo vende, também, madeira no mercado negro".

À frente da associação MOLDOVIȚA, Tiberiu Bosutar rastreia provas de tráfico, escondidas na sombra das florestas.

"Aqui temos uma área onde enterraram os tocos das árvores roubadas. Olhem para o tamanho destes tocos... É preciso maquinaria pesada, equipas inteiras de trabalhadores. Esta é a prova clara de que o roubo do distrito florestal está organizado."

A Comissão Europeia alertou a Roménia para pôr fim à exploração ilegal das florestas, sob ameaça de sanções.

"O custo potencial das sanções europeias é um incentivo para o Governo romeno agir de modo mais rápido e decisivo. No entanto, isso não compensará os danos já causados na floresta romena após décadas de corte ilegal de árvores", relata a jornalista da euronews Valerie Gauriat.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.