"Testar, testar, testar": Nem todos cumprem o conselho da OMS

"Testar, testar, testar": Nem todos cumprem o conselho da OMS
Direitos de autor AFP
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

França e Espanha só fazem despistagem aos casos mais sérios.

PUBLICIDADE

Há poucos dias, o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS),Tedros Adhanom Ghebreyesusdeu um conselho importante aos líderes de todo o mundo a propósito da COVID-19: "Testar, testar, testar".

Apesar do conselho, nem todos o estão a seguir. É o que acontece, por exemplo, em França, onde o governo decidiu que só as pessoas com saúde mais frágil, pacientes internados nos hospitais e profissionais de saúde seriam testados.

Por exemplo, Gwenaëlle, ergoterapeuta, mãe de dois filhos, foi diagnosticada com COVID-19 via telefone, sem nunca ter feito o teste: "O interesse de ter um despiste é que, quando acabar a minha baixa, dentro de uma semana, como sou profissional paramédica posso ser requisitada para trabalhar num estabelecimento médico-social. O teste permitir-me-ia estar mais descansada em relação a isso e em relação à minha família", conta.

O teste permitir-me-ia estar mais descansada em relação à minha família.
Gwenaëlle
Ergoterapeuta

O número de testes feitos em França aumentou. Segundo os dados do governo, foram feitos 40 mil até ao dia 15 de março. Já a Alemanha optou por fazer uma despistagem mais sistemática. Só numa semana foram feitos 100 mil testes, dentro dos automóveis. A Itália fez 124 mil despistes até ao dia 20, segundo os dados oficiais.

A Espanha está a seguir o exemplo francês e só está a fazer testes nos casos mais sérios, mas a tendência parece estar a mudar, em ambos os países. O ministro da Saúde de França, Olivier Véran, diz que o governo está a trabalhar com os fabricantes para que haja mais testes disponíveis para fazer quando terminar o confinamento, ou seja, quando o pico da doença tiver passado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Espanha vai acabar com os vistos gold para investidores imobiliários estrangeiros

Só em janeiro, Canárias receberam mais migrantes do que na primeira metade de 2023

Navio de cruzeiro com 1500 passageiros retido em Barcelona porque 69 bolivianos têm vistos falsos