Última hora
This content is not available in your region

Europa reforça esperança e combate ao coronavírus

euronews_icons_loading
Europa reforça esperança e combate ao coronavírus
Direitos de autor  Cecilia Fabiano/LaPresse
Tamanho do texto Aa Aa

A Itália estendeu as medidas de exceção em vigor pelo menos até ao dia 13 mesmo depois de ter registado o numero diário de mortes por Covid-19 mais baixo numa semana, 727. Aumenta a esperança de que a Covid-19 recua naquele que oficialmente é o país mais massacrado pela pandemia com um total de mais de 80500 casos e 13155 falecimentos.

"Assim que os dados ficarem consolidados, quando o comité de peritos nos permitir, vamos iniciar o alívio das medidas. Não posso dizer, com certeza que será no dia 14 de abril porque é impossível saber", explicou o primeiro-ministro Giuseppe Conte.

Espanha é o segundo país europeu onde o cenário é mais dramático com um total de mortos superior aos nove mil.

Agora, as autoridades apostam em tudo nos testes. Uma equipa de veterinários da universidade de Madrid avançou com despistagens para o ministério da Saúde. O pessoal médico o está a enviar as amostras para o laboratório veterinário para o diagnóstico.

Entretanto, França vive a terceira semana de confinamento. Na quarta-feira anunciou mais 509 mortos, o número mais alto desde o início da crise.

As restrições não serão levantadas todas de uma vez mas de forma gradual.

"Pedimos a várias equipas para trabalharem no tema do levantamento das restrições, a forma apropriada, a possibilidade de um fim gradual que será regionalizado ou outro que será baseado numa política de testes ou outra baseada em grupos etários", adiantou Édouard Philippe.

Numa altura em que a Força Aérea britânica testa macas especiais de transporte para doentes, o Reino Unido ultrapassou pela primeira vez meio milhar de mortos num dia - 563.

Já com mais de duas mil fatalidades, foi montado no parque de estacionamento do Ikea de Wembley, em Londres, um centro de diagnóstico para o pessoal médico na linha da frente no combate ao coronavírus.

Depois de críticas por alegada lentidão, o governo declarou o criação de vários outros centros.