EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Observar os esgotos para entender a propagação da Covid-19

Perspetiva do "distrito da luz vermelha", quase vazio, em Amesterdão, na Holanda
Perspetiva do "distrito da luz vermelha", quase vazio, em Amesterdão, na Holanda Direitos de autor AP Photo/Peter Dejong
Direitos de autor AP Photo/Peter Dejong
De  Francisco MarquesAnnabel Murphy
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Cientistas holandeses alegam ter descobertos indícios dos novo #coronavírus em Haarlem antes mesmo do registo local dos primeiros casos de infeção

PUBLICIDADE

Cientistas holandeses alegam ter descoberto indícios do novo coronavírus nas águas residuais da cidade de Haarlem, na Holanda, antes dos primeiros casos de Covid-19 terem ali sido registados no início de março.

Com escassas ferramentas para estudar a origem e a propagação da pandemia, os esgotos, habitualmente úteis na analise de bactérias e parasitas, podem agora ajudar também no caso deste novo coronavírus.

Ana Maria Husman, da agência de Saúde Pública e Ambiente da Holanda (RIVM), explica-nos que "o que podemos conseguir com a observação dos esgotos é perceber os fluxos ao longo do tempo para, a partir da primeira introdução da doença no pais, tentarmos perceber a propagação do vírus."

A monitorização da rede de esgotos serve como primeiro sistema de alarme. O vírus é detetado nas águas residuais antes de as pessoas apresentarem sintomas.

Não é um processo perfeito, mas tem resultados e permite perceber a propagação da doença.

Nos países mais desenvolvidos, a capacidade de testar é mais apertada, mas os laboratórios internacionais podem ajudar no combate a esta nova doença ainda incurável

O professor Frank Aarestrup, chefe de pesquisa em epidemiologia genómica da Universidade Técnica da Dinamarca, mostra-nos outra forma de monitorização da Covid-19 ja em curso: "a possibilidade de enviar as amostras para uma unidade central onde podem ser analisadas".

"Não é tão rápido como se fosse feito logo no local da recolha, como seria o ideal, mas é ainda assim exequível enviar amostras de várias partes do mundo para um laboratório central as analisar e conseguir um quadro decente da atual situação mundial", defende Frank Aarestrup.

O controlo das águas residuais revela-se importante para cientistas e investigadores porque permite encontrar informação valiosa e precisa sobre todos os tipos de bactérias, parasitas e doenças, como a Covid-19.

Outras fontes • RIVM, DTU

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Europa reforça esperança e combate ao coronavírus

Mortes continuam a subir e Governo prepara novo estado de emergência

De vizinho para vizinho: uma viagem ao sistema holandês de cuidados para idosos