Última hora
This content is not available in your region

Situação dramática nos lares de idosos franceses

euronews_icons_loading
Situação dramática nos lares de idosos franceses
Direitos de autor  Anadolu
Tamanho do texto Aa Aa

O impacto da pandemia de coronavírus fora dos hospitais não era claro até que começaram a ser divulgados números oficiais que contabilizam as vítimas mortais nos lares de idosos. De acordo com as últimas informações, até agora morreram 3.237 pessoas em lares. E mais de 7.000 pessoas morreram nos hospitais.

Nalguns lares de idosos, a situação é dramática. Como numa instituição no sul de França onde morreram 30 moradores. Uma situação que levantou muitas questões. A família de um residente apresentou queixa contra desconhecidos. O diretor do grupo Korian, Antoine Ruplinger explica as medidas que foram implementadas ao longo da crise: "Nesta fase, ainda não temos informações precisas para perceber o que aconteceu, mas o certo é que o vírus se espalhou sem o nosso conhecimento - durante dias e semanas - dada a extenção de novos casos de coronavírus no nosso lar"

Para identificar rapidamente casos de COVID 19 entre moradores ou funcionários, o ministro da Saúde de França, Olivier Véran, anunciou o lançamento de campanhas de triagem nos lares de idosos.

O objetivo é testar todos os residentes e todos os funcionários a partir do momento em que há um caso confirmado num lar de idosos.
Olivier Véran
Ministro da Saúde de França

Um anúncio que o diretor de dois lares na região da Alta Saboia esperava há semanas. Sem testes no início e mesmo implementando as medidas se segurança o vírus espalhou-se e levou à morte de 30 moradores.

Fechámos o local às famílias dos residentes a partir de 2 de março, muito antes das medidas do governo. No dia 10 de março isolámos completamente os residentes do estabelecimento e tínhamos máscaras, pelo menos no início, todos os profissionais de saúde usavam máscara.
Eric Lacoudre
Diretor do grupo Odelia

Mas muitos profissionais de saúde preferem trabalhar na Suíça devido aos salários mais altos. Em altura de crise, a falta de pessoal é flagrante. "Na semana passada, tivemos de pedir ajuda e apelar à solidariedade nas redes sociais e dos meios de comunicação e conseguimos essa solidariedade da parte dos profissionais de saúde", remata Eric Lacoudre.

Foi feito um apelo nacional em França para recrutar médicos na reforma ou estudantes de medicina. Até agora, 720 pessoas responderam ao apelo.