Última hora
This content is not available in your region

Semana Santa sem procissões, pela primeira vez em séculos

euronews_icons_loading
Semana Santa sem procissões, pela primeira vez em séculos
Direitos de autor  AP
Tamanho do texto Aa Aa

Atingidos pela pior pandemia em pelo menos um século, os espanhóis celebram desta vez a Páscoa em casa, enquanto muitos choram a morte de familiares. A loja das velas está fechada, tal como a loja de recordações". A Igreja de Jesus de Medinaceli, o Cristo mais adorado de Madrid, está sossegada, contrastando com o frenesim de outras semanas santas.

"A Semana Santa é uma das festas mais populares para os cristãos de Espanha. Numa sexta-feira santa, como hoje, teriam aqui grandes multidões à espera de ver a procissão a sair da Igreja. Mas desta vez, as portas de todas as igrejas em Espanha permanecerão fechadas", conta o repórter da euronews Jaime Velázquez.

Todas as procissões da Páscoa foram proibidas, devido ao confinamento obrigatório decidido a nível nacional. As igrejas espanholas vão transmitir via Internet os eventos do ano passado e as missas a que os fiéis vão poder assistir em casa. Estragados ficaram mas os meses de ensaios para a procissão. A hora é de rezar pelas vítimas.

Diz Óscar Morales, membro da confraria de Medinaceli: "É neles que temos de concentrar as nossas orações, tal como nos trabalhadores da saúde e membros das forças de segurança".

A confraria de Medinaceli tenta que, este ano, os eventos aconteçam não na rua, mas nas redes sociais. Pablo Latorre, jovem membro da mesma confraria, mostra a sua procissão feita com figurinhas: "São dias difíceis, principalmente porque este ano não há procissão. Por isso tive a ideia de fazer a minha própria procissão do Cristo de Madinaceli".

euronews
A "mini-procissão" de Pabloeuronews

Juan Peña é cantador flamenco. No ano passado cantou uma saeta ao cristo de Medinaceli. A Saeta é um trecho que os espanhóis costumam cantar da varanda à medida que a procissão passa.

Conta: "Poder exprimir com os meus gemidos, com o meu canto, o que um povo está a sentir significa tudo, para mim."

Este ano, vai ter de ficar em casa, mas não renuncia à tradição: "A Saeta que quero cantar, é muito famosa, mas adaptei-a ao momento que estamos a viver, com o coronavírus. É um canto a Deus para que nos dê uma mão, nos ajude a seguir em frente, para que acabem as mortes e esta pandemia que está a castigar o mundo inteiro".

É a primeira vez em séculos de história que não há qualquer procissão na Semana Santa em Espanha - mesmo se, durante a II República (1931-1939), estas foram raras e sempre ameaçadas pelas autoridades, sendo que em 1933 quase não houve procissões, embora algumas tenham conseguido sair.