Última hora
This content is not available in your region

Líbia no combate à covid-19: uma guerra em duas frentes

euronews_icons_loading
Líbia no combate à covid-19: uma guerra em duas frentes
Direitos de autor  Felipe Dana/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

Na Líbia, há uma guerra travada em duas frentes. Numa tentativa de combater o coronavírus os dois governos rivais em conflito no país impuseram restrições rígidas em relação a viagens e recolher obrigatório.

A única coisa que as autoridades não conseguiram parar foi a batalha entre milícias pelo controlo territorial.

O país está envolvido em combates intermitentes desde a queda do poder de Muammar Kadafi em 2011

O ano passado marcou o início de uma nova onda de violência, quando forças leais a Halifa Khaftar avançaram em direção a Trípoli para expulsar o Governo do Acordo Nacional, apoiado pela ONU.

E, apesar de a ONU ter pedido o fim de hostilidades, por aqui as armas não foram silenciadas.

Para o responsável pelas operações do Comité Internacional da Cruz Vermelha na Líbia, Willem de Jonge o conflito não diminuiu. "Aliás, nas últimas semanas, observámos um aumento do conflito interno, o que teve impacto, porque os médicos e enfermeiros que estão a tentar tratar dos pacientes e a preparar-se para a pandemia, agora são frequentemente chamados aos hospitais para tratar dos feridos de guerra", conta .

Já antes da covid-19, o sistema de saúde da Líbia lutava pela sobrevivência.

O país não tem registo de um número significativo de infeções por coronavírus, mas um dos motivos para esse resultado pode ser a falta de capacidade para fazer testes de diagnóstico.

Se a pandemia vier a ter a incidência observada em outras partes do mundo, o impacto vai ser devastador.

Por enquanto, a covid-19 continua a representar uma ameaça invisível. E os líbios esperam que permaneça sem se concretizar. Após anos de agitação política e violência, o país, dizem os habitantes, não precisa de mais inimigos.