Última hora
This content is not available in your region

Colapso do acordo de cessar-fogo para a Líbia

Colapso do acordo de cessar-fogo para a Líbia
Direitos de autor
Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Caiu por terra a tentativa de um acordo de cessar-fogo para a Líbia.

Esta terça-feira, o líder do Exército Nacional Líbio, o general Khalifa Haftar, abandonou Moscovo, a capital russa, sem assinar o documento proposto, que já contava com a assinatura de Fayez al-Sarraj, líder do Governo de Unidade Nacional da Líbia e o único reconhecido pela Organização das Nações Unidas.

O acordo foi proposto pela Rússia e pela Turquia com o objetivo de colocar fim à guerra civil na Líbia.

Em Ancara, Recep Tayyip Erdogan mostrou-se descontente com o desfecho.

"O golpista Haftar não assinou o cessar-fogo. No início ele disse "sim", depois infelizmente deixou Moscovo, fugiu de Moscovo e não assinou", referiu o presidente turco.

O chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov, minimizou o fracasso do acordo de cessar-fogo sublinhando que os esforços para alcançar a paz na Líbia vão continuar, também, com o apoio da União Europeia.

"Todos os esforços que os europeus estão agora a fazer, incluindo alemães, franceses, italianos... Queremos juntar todos esses esforços para que todos atuemos na mesma direção e encorajemos todas as partes líbias a concordarem", frisou o diplomata russo.

A chanceler alemã vai promover uma cimeira em Berlim, no dia 19 de janeiro, com os líderes das duas fações líbias e com representantes da ONU e de vários países como os Estados Unidos da América, França, Grã-Bretanha, China, Rússia, Turquia e Emirados Árabes Unidos.

O objetivo é restabelecer a paz neste país africano, importante produtor de petróleo.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.