Última hora
This content is not available in your region

Veneza procura soluções para o "pós-Covid"

euronews_icons_loading
Veneza procura soluções para o "pós-Covid"
Direitos de autor  Andrew Medichini/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Veneza, cidade onde há apenas alguns meses era por vezes difícil ver um palmo de chão, tendo em conta a quantidade de turistas, está agora irreconhecível, vazia. Na Praça de São Marcos, os pombos são agora a única população. Uma paisagem estranha para Matteo Secchi, da associação de moradores da cidade: "Passámos de um extremo ao outro. Há alguns meses, nem se conseguia passar e agora está deserta".

Há algum tempo, tornou-se viral uma foto de um "engarrafamento de gôndolas", para demonstrar o excesso de turismo. Agora, as gôndolas estão paradas e os hotéis vazios.

Um "engarrafamento de gôndolas" em 2017.

No hotel Capisini, a última mensagem no livro de visitas é do dia 25 de fevereiro.

"No princípio falava-se em dois meses, depois três a quatro meses, muitos falam de um regresso à atividade no início do próximo ano. Vemos que o maior movimento será em fevereiro e março de 2021", diz Marianna Serandre, proprietária da cadeia.

Para alguns membros das autoridades locais, este período de confinamento pode ser uma oportunidade para a cidade passar para um modelo de turismo mais sustentável, mesmo se isso implicar introduzir quotas para o número diário de visitantes.

Esta vai ser uma oportunidade de passar a um turismo mais inteligente, um turista que quer estudar e entender as coisas e deseja sair dos circuitos clássicos, mais frenéticos, diz o vereador para o desenvolvimento económico, Simone Venturini.

Segundo o instituto Statista, Veneza recebeu, em 2018, cerca de quatro milhões e meio de turistas.