Rússia ultrapassa 240 mil casos de infeção

Rússia ultrapassa 240 mil casos de infeção
Direitos de autor Alexander Zemlianichenko/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Numa altura em que os números na Rússia avançam rapidamente, a França anuncia menos de 3 mil pacientes em reanimação, metade do pico em abril.

PUBLICIDADE

Mais de 242 mil casos de infeçãopelo novo coronavírus confirmam a Rússia como o segundo país do mundo com mais contágios, a seguir aos Estados Unidos. Os óbitos situam-se acima dos 2.200, número proporcionalmente baixo e que ajudará a explicar a decisão de Vladimir Putin de começar a levantar as restrições. Esclareça-se que o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, está, também ele, contaminado.

Nas ruas de Moscovo, o tom é de desafio: "nem o presidente consegue forçar-nos a usar máscara", dizia um transeunte. Há também quem questione a obrigatoriedade do uso de proteção quando "as pessoas são livres de utilizarem os telemóveis, por exemplo, dentro e fora de portas sem os desinfetar".

Em França, queronda agora a fasquia das 27 mil vítimas mortais, o número de pacientes em reanimação baixou para menos de metade do pico em abril: são perto de 3 mil, neste momento. Mas há ainda quatro grandes regiões consideradas "zonas vermelhas", incluindo a capital francesa.

A presidente da Câmara de Paris, Anne Hidalgo, salienta os desafios da densidade populacional nesta cidade: "os parisienses respeitaram o confinamento e agora querem poder sair. Há muita gente a viver em pequenos apartamentos. Não é um pretexto para não terem cuidados, mas cabe à cidade organizar tudo isto".

Os britânicos contam mais de 32 mil mortes e de 226 mil infetados. E contam também as vastas consequências económicas que assumem proporções inéditas: só em março, o PIB recuou 5,8%. O ministro das Finanças, Rishi Sunak, veio recordar "que 7,5 milhões de empregos integraram o regime de layoff. São postos de trabalho que podiam desaparecer, se o governo não tivesse agido. Há apoios para cerca de um milhão de empresas que, caso contrário, podiam ter fechado".

Espanha, que regista quase 27 mil mortes, debate agora a imposição de máscaras em todos os espaços públicos, depois de decretar uma quarentena de duas semanas para todos aqueles que cheguem do estrangeiro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Espanha vai acabar com os vistos gold para investidores imobiliários estrangeiros

Rei Carlos III recebe as novas notas com o seu retrato

Só em janeiro, Canárias receberam mais migrantes do que na primeira metade de 2023