EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Controversa "prioridade da vacina Sanofi aos EUA"

Controversa "prioridade da vacina Sanofi aos EUA"
Direitos de autor AP Photo/Themba Hadebe
Direitos de autor AP Photo/Themba Hadebe
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O líder executivo da Sanofi, Paul Hudson, disse que os EUA têm prioridade numa vacina da farmacêutica francesa porque investiram forte e com risco. França e Bruxelas reagiram. O presidente da Sanofi, Olivier Bogillot, convida a UE a investir mais para agilizar processos.

PUBLICIDADE

Prioridade para quem investiu forte e com risco numa vacina contra a covid-19: os Estados Unidos. O argumento do líder executivo da farmacêutica francesa Sanofi, Paul Hudson, numa entrevista à Bloomberg, desencadeou uma controvérsia em França e a também em Bruxelas.

O presidente da Sanofi apelou à União Europeia a mobilizar-se, também, para poder acelerar o programa.

"Não se trata de dar prioridade a uma vacina mas é verdade que os Estados Unidos mobilizaram-se fortemente nas últimas semanas nos processos regulatórios de forma a acelerar os investimentos em nós para terem capacidades de produção. E mais uma vez, apelamos à Europa para fazer o mesmo para que poderem acelerar o registo ao nível Europeu e ter uma vacina ao mesmo tempo", explicou Olivier Bogillot, presidente da Sanofi França.

O governo francês não deixou de reagir. O primeiro-ministro Edouard Philippe disse que o acesso à vacina não era negociável. O ministro da Saúde, Oliver Veran, foi mais brando.

"A questão hoje não é quem vai beneficiar da vacina, a questão é saber quem vai encontrar a vacina em primeiro lugar e eu garanto que assim que tivermos uma vacina vamos fazer tudo o que for preciso para que os franceses sejam beneficiados, que os Europeus sejam beneficiados e claro, em solidariedade, que todo o planeta possa ser beneficiado com ela", referiu Olivier Veran.

Apesar dos apelos da Sanofi para que a União Europeia, aumente o investimento no seu projeto de vacina, o porta-voz da comissão Europeia diz que o acesso deve ser igual e universal.

"Solidariedade e coordenação é a resposta mais efetiva e segura à Covid-19. A vacina contra o novo coronavírus deve ser um bem público e o acesso deve ser equitativo e universal", declarou Stefan de Keersmaecker.

Num outro desenvolvimento menos controverso, o Reino Unido aprovou o teste rápido de anticorpos da suíça Roche, quase duas semanas depois da união Europeia o ter feito. Países da União Europeia já estão a receber os testes. A farmacêutica diz ter capacidade para produzir centenas de milhares por semana para os britânicos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Comissão Europeia garante 300 milhões de doses de possível vacina da Sanofi

Covid-19: Os números e as notícias de sexta-feira, 15 de maio

Berlusconi e a Europa: um ano após o desaparecimento de um líder que mudou a UE