This content is not available in your region

Pandemia provoca milhares de rescisões de contratos

Access to the comments Comentários
De  Neusa Silva
Milhares de trabalhadores dispensados devido aos impactos da epidemia em Angola
Milhares de trabalhadores dispensados devido aos impactos da epidemia em Angola   -   Direitos de autor  JOAO DA FATIMA / AFP

A crise provocada pela Covid-19 veio agravar a taxa de desemprego em Angola. As empresas prestadoras de serviços e os setores da aviação, hotelaria e petróleo são os mais afetados.

Venâncio Miguel disse à Euronews que o motivo do seu despedimento, segundo a entidade empregadora, a da LSG Sky Chefs TAAG Angola Catering, empresa prestadora de serviços na transportadora aérea angolana, foi a paralisação dos serviços provocada pela pandemia.

Mais de 100 trabalhadores da referida empresa viram os seus contratos interrompidos total ou parcialmente nos últimos dias.

O Hotel de Convenções de Talatona (HCTA), em tempos considerado uma das referências do setor, já conheceu dias melhores. Atualmente oferece apenas serviços mínimos e começou o processo de despedimento parcial de trabalhadores.

Manuel Ngunza, ex-funcionário do HCTA, disse estar há dois meses sem salários e recentemente foi contatado por pessoas alegadamente indicadas pelo hotel para procedem à sua desvinculação, condicionando qualquer pagamento à assinatura do acordo de rescisão contratual.

A Euronews tentou contactar a direção de recursos humanos do HCTA para perceber o processo em curso, mas o hotel recusou-se a comentar o assunto.

De acordo com Pedro Filipe, secretário de Estado da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social, só nos últimos dias foram registados mais de mil despedimentos e três mil pedidos de suspensão de contratos em todo país.

O membro do Governo angolano garantiu que o estado tem feito uma abordagem equilibrada da situação para garantir a sobrevivência das empresas, que já tinham começado a perder faturação mesmo antes da Covid-19.

Para garantir a sobrevivência das empresas o estado aprovou um pacote de apoio para as pequenas, médias e grandes empresas.

O objetivo é assegurar que estas empresas possam manter os postos de trabalho, explicou o secretário de Estado.

Pedro Filipe considera que a conservação dos postos de trabalho está diretamente ligada a capacidade de sobrevivência das empresas.