Última hora
This content is not available in your region

China responde às críticas de Trump

euronews_icons_loading
Donald Trump
Donald Trump   -   Direitos de autor  Evan Vucci/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

A China respondeu a Donald Trump. A diplomacia de Pequim acusa a administração norte-americana de difamar o país e de atacar a Organização Mundial de Saúde como forma de desviar a atenção da sua própria má gestão da crise do coronavírus.

O Presidente dos EUA acusou a China de encobrir o surto inicial de coronavírus no final do ano passado.

Na segunda-feira chamou à OMS "fantoche da China", antes de uma carta que publicou no Twitter, em que ameaçou retirar permanentemente o financiamento se não alterar as operações no prazo de 30 dias e reconsidera própria adesão à OMS.

Zhao Lijian, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, disse: "A carta aberta que o líder americano escreveu é muito vaga e usa métodos falaciosos para enganar o público e alcançar os objetivos de difamar os esforços antivírus da China e fugir à responsabilidade pela insuficiente resposta dos próprios Estados Unidos. Isto é inútil".

Na sequência da ameaça do Trump, os Estados-Membros da União Europeia aprovaram uma resolução de apoio à Organização Mundial de Saúde.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, agradeceu este apoio: "Agradeço aos Estados-Membros a adoção desta resolução, que apela a uma avaliação independente e abrangente da resposta internacional, incluindo, mas não exclusivamente, os desempenhos da Organização Mundial de Saúde", referiu.

A Comissão Europeia disse ainda que a cooperação global é "a única opção eficaz e viável para vencer esta batalha".