Programa de "lay-off" sob críticas no Reino Unido

Programa de "lay-off" sob críticas no Reino Unido
Direitos de autor AP Photo/Alberto Pezzali
De  Bruno SousaAngela Barnes
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Legislação rígida deixa várias pessoas de fora, está em curso uma campanha fora tornar o programa mais inclusivo

PUBLICIDADE

O plano de "lay-offs" colocado em prática pelo governo do Reino Unido garante o salário a cerca de sete milhões e meio de pessoas, que mesmo sem trabalhar continuam a receber 80% do ordenado. A medida estará em vigor até final de outubro e custará aos cofres britânicos mais de 80 mil milhões de libras. Ainda assim, existem lacunas na legislação e várias pessoas queixam-se que ficaram de mãos a abanar com o surto de covid-19.

É o caso de Chetan Rajan, consultor financeiro, que trocou recentemente de emprego e não tem antiguidade suficiente na nova empresa para beneficiar do apoio governamental. Queixa-se que é injusto, porque sempre pagou os impostos e lamenta não ter qualquer tipo de ajuda agora que se tornou necessário.

Carl Miller gere um parque de campismo e também fica de fora. Explica que apesar de ter ficado sem rendimentos e de provavelmente só poder voltar a trabalhar no próximo ano, não tem direito a qualquer ajuda devido às poupanças que tinha no banco.

Já Jim West foi simplesmente dispensado pela empresa onde trabalhava. Não esconde o desalento por ter visto o seu futuro decidido sem que pudesse ter uma palavra a dizer e lembrou que paga impostos há 43 anos.

Está em curso uma campanha para mudar as regras do lay-off e torná-las mais inclusivas. Uma carta aberta ao chanceler do tesouro foi já assinada por milhares de pessoas, incluindo mais de seis dezenas de deputados de vários partidos.

A iniciativa é a última esperança de quem perdeu todas as fontes de rendimentos com a pandemia. O analista Guy Shone lembra que o Chanceler do Tesouro já mostrou capacidade de reação em casos onde foram identificadas lacunas nas políticas em vigor, mas que isso por si só não é garantia suficiente para quem passa por dificuldades.

De acordo com a comunicação social britânica, a legislação atual pode sofrer alguns ajustes no mês de agosto.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Velha guarda do rock em peso na abertura da Gibson Garage

Notas com cara de Carlos III entram em circulação em junho

As Falklands pertencem ao Reino Unido? Nova sondagem revela que nem toda a gente na Europa está de acordo