Última hora
This content is not available in your region

Rússia reconhece supremacia americana no espaço

euronews_icons_loading
Astronauta
Astronauta   -   Direitos de autor  Vídeo
Tamanho do texto Aa Aa

Desde que foi encerrado o programa do Space Shuttle, em 2011, a NASA teve de pagar à Roscosmos da Rússia lugares na sua cápsula Soyuz.

Cada lugar no Soyuz custou à NASA uma média de 80 a 90 milhões de dólares, nos últimos anos.

A agência espacial americana gastou cerca de mil milhões de dólares em viagens dos seus astronautas só entre 2017 e 2019.

O orçamento da NASA para 2020 é de 22,6 mil milhões de dólares - cerca de 20 mil milhões de euros - enquanto o da Roscosmos russa não ultrapassa 1,7 mil milhões.

Vadim Lukashevich, perito em questões espaciais russo, afirma: "A Elon Mask e a indústria espacial americana, neste momento, estão muito à frente da Rússia. Se eles não existissem, ter-nos-íamos gabado de sermos a pátria da navegação espacial, mas agora é absolutamente claro que os EUA estão muito à nossa frente".

Em abril, o responsável pela agência espacial russa, Roscomos, disse ao presidente Vladimir Putin que a agência está a baixar os seus custos de lançamento para melhor competir no mercado internacional.

"Para aumentar a nossa presença nos mercados mundiais, estamos a trabalhar para reduzir os preços dos nossos serviços de lançamento espacial em mais de 30%. Esta proposta é essencialmente a nossa resposta à subcotação de preços por parte das empresas americanas que são financiadas pelo orçamento dos EUA".

O administrador da NASA, Jim Bridenstine, espera que a NASA e a Rússia cooperem na troca de lugares em voos em vez de pagarem por eles.

"Quando pensamos na Estação Espacial Internacional, se queremos manter a bordo astronautas russos e americanos, então temos de estar dispostos a lançar cosmonautas russos em tripulação comercial e eles têm de estar dispostos a lançar astronautas americanos no Soyuz.

SpaceX é a primeira empresa privada a colocar os astronautas em órbita, algo conseguido por apenas três agências governamentais - Rússia, EUA e China.