Última hora
This content is not available in your region

Recorde consecutivo de mortes diárias por Covid-19 no Brasil

euronews_icons_loading
Médicos Sem Fronteiras visitam favelas em São Paulo numa campanha ligada à Covid-19
Médicos Sem Fronteiras visitam favelas em São Paulo numa campanha ligada à Covid-19   -   Direitos de autor  Andre Penner/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

O Brasil avança na escalada de contágios e morte por Covid-19. O país registou um recorde consecutivo de perda de vidas ligada ao coronavírus em 24 horas- 1.349 falecimentos. São já 32,548 óbitos de um total de quase seiscentos mil casos, o segundo valor mais elevado em todo o mundo.

Um dado que deve ser visto à luz do número de testes realizados e também tendo em conta a dimensão do país e da população.

O país sul-americano investiga ainda a eventual relação de 4.115 mortes com a doença de covid-19, num momento em que 238.617 pacientes infetados já recuperaram e 312.851 continuam sob acompanhamento.

São Paulo continua a ser o estado com maior número de casos no país, concentrando agora 123.483 casos de infeção e 8.276 mortos, sendo seguido pelo Rio de Janeiro, que totaliza 59.240 pessoas diagnosticadas e 6.010 óbitos, e pelo Ceará, que contabiliza oficialmente 56.056 infetados e 3.605 vítimas mortais em decorrência da pandemia.

Nesta altura, a situação pode ser considerada preocupante em pelo menos cinco Estados brasileiros que contam com taxas de ocupação dos leitos nos cuidados intensivos de mais de 90 por cento - Amapá, Acre, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Maranhão.

Mesmo assim, há Estados que avançam com o aliviar das restrições e do confinamento, nalguns casos, como o Rio de Janeiro, onde não há evidências de ter sido atingido o pico da pandemia.

Mas a economia assim obriga, tal como o bem-estar mental de muitos cidadãos. Em Brasília alguns parques foram reabertos e a celebração de missas foi autorizada sob medidas apertadas. O uso de máscara é obrigatório. O desrespeito equivale a uma multa.

O Brasil ainda vai a meio do "calvário", resta saber quando se começará a ver a luz ao fundo do túnel de uma tragédia que abala e tudo indica que vai continuar a abalar o mundo.