Última hora
This content is not available in your region

Covid-19 atira futebol inglês para o banco

euronews_icons_loading
Covid-19 atira futebol inglês para o banco
Direitos de autor  Marius Becker/(c) Copyright 2020, dpa (www.dpa.de). Alle Rechte vorbehalten
Tamanho do texto Aa Aa

Estádios de futebol sem adeptos passaram a ser um fardo para muitos clubes ingleses. Sem gerar receita com a venda de bilhetes, várias formações vivem dias negros, com o futuro comprometido.

"Todos os clubes, todas as 72 equipas da Liga de Futebol Inglesa enfrentaram dificuldades: algumas comuns, outras específicas. Estamos a tentar combater os danos com muito pouca entrada de capita", explicou, em entrevista à Euronews, o diretor-executivo do Leyton Orient, Danny Macklin.

Em 138 anos de história, a formação atravessou muitos altos e baixos, mas tudo o que aconteceu em campo tornou-se, agora, insignificante.

"Alguns clubes já estavam em dificuldades antes do surto de Covid-19. A pandemia agravou a situação e acelerou problemas. Como clube de futebol não estamos imunes. Se no próximo ano não tivermos praticamente nenhuma receita, com exceção do streaming, será muito difícil para os clubes de futebol do campeonato, da League One e da League Two", acrescentou Danny Macklin.

Se as formações que estão no topo da cadeia do futebol inglês poderão até encontrar uma saída, o cenário não é o mesmo para os clubes abaixo da Premier League.

Luke Hanrahan, Euronews - Os rendimentos mais baixos terão um maior impacto nos clubes que se encontram na cauda das tabelas e para as formações da Liga de Futebol Inglesa o problema está claro, mas não a solução. Neste momento, preparam-se para mudanças sísmicas no desporto, mas também para os milhares de pessoas que dependem dele."

Vinvent Mcbean, diretor-executivo do Clapton, vaticina a "morte" de várias formações. O clube que dirige vive dias muito difíceis, com um gigantesco ponto de interrogação a pairar sobre o futuro.

Mcbean diz que seria bom haver mais apoio das formações de elite: "Os clubes que têm a riqueza, o dinheiro e a posição sabem o que podem fazer. Não é o caso das equipas do nível em que nos encontramos. Ninguém pode dizer com certeza quantas equipas estarão disponíveis para a liga quando chegar a altura. Tem de haver uma espécie de equilíbrio em relação à forma como os recursos serão distribuídos."

Com as ligas em diferentes fases relativamente à forma de resolver a temporada atual, tudo indica que para muitos clubes a questão mais importante é perceber quando é que os adeptos poderão regressar aos estádios. Para várias formações essa pode ser a tábua de salvação para se manterem à tona em tempo de incerteza.