Última hora
This content is not available in your region

Financiadores do processo de paz moçambicano saúdam desarmamento da Renamo

Access to the comments Comentários
De  euronews com lusa
ap photo
ap photo   -   Direitos de autor  Tsvangirayi Mukwazhi/Copyright 2019 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

As oito entidades internacionais que financiam o processo de paz em Moçambique consideraram um "passo importante" a retomada na última semana do desarmamento, desmobilização e reintegração (DDR) do braço armado da Renamo, principal partido da oposição.

Pelo menos 38 guerrilheiros da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) em Sofala entregaram, entre quinta-feira e sexta-feira, as armas no âmbito, do processo do DDR

"O início do desarmamento e desmobilização dos ex-combatentes é a expressão concreta e há muito esperada deste acordo. É um passo importante a caminho da paz e reconciliação", lê-se num comunicado conjunto da delegação da União Europeia (UE) em Maputo e Alemanha, Canadá, Noruega, Irlanda, Finlândia, Suíça e Botsuana.

A nota avança que a operação vai traduzir-se em benefícios sociais, económicos e políticos para Moçambique.

Para os subscritores do comunicado, o arranque do DDR representa uma oportunidade histórica para o processo de paz em Moçambique.

"Mantemo-nos firmes no nosso compromisso de contribuir para uma paz definitiva e para o desenvolvimento sustentável em Moçambique", lê-se na nota.

A UE e os sete países disponibilizaram 18.3 milhões de dólares para o apoio ao processo de paz em Moçambique, no âmbito do Acordo de Paz e Reconciliação Nacional, assinado no dia 06 de agosto do ano passado.

"O elemento central é assegurar que os ex-combatentes recebam o apoio necessário na transição rumo à sua reintegração na comunidade", refere a nota de imprensa.

O porta-voz da Renamo, José Manteigas, disse na semana passada à Lusa que o DDR está a ser feito por fases, devido às medidas de prevenção contra a pandemia da covid-19.

Na quinta-feira, o ministro da Defesa Nacional de Moçambique, Jaime Neto, empossou Aníbal Rafael Chefe, um oficial da guerrilha da Renamo, no cargo de diretor do Departamento de Comunicações no Estado-Maior General das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM).

Em 03 de dezembro do ano passado, 10 oficiais da Renamo passaram a incorporar as fileiras do Comando-Geral da Polícia moçambicana, no âmbito do processo de pacificação.

O Acordo de Paz e Reconciliação Nacional é contestado pela autointitulada Junta Militar da Renamo, uma dissidência da guerrilha do braço armado do principal partido da oposição dirigida pelo general Mariano Nhongo.

O grupo de Mariano Nhongo é acusado de protagonizar ataques no centro de Moçambique, desde agosto do ano passado, visando forças de segurança e civis em aldeias e nalguns troços de estrada da região, tendo causado, pelo menos, 24 mortos e vários feridos, além da destruição de veículos.