Última hora
This content is not available in your region

Dani Rodrik vence Prémio Princesa das Astúrias para as Ciências Sociais

Access to the comments Comentários
De  Euronews com LUSA
Turkish economist Dani Rodrik, Harvard University's professor, delivers a speech in Cholula, Mexico, 09 October 2003
Turkish economist Dani Rodrik, Harvard University's professor, delivers a speech in Cholula, Mexico, 09 October 2003   -   Direitos de autor  Marcos Delgado/EPA
Tamanho do texto Aa Aa

O júri do prémio sublinha que o professor Rodrik “fortaleceu o rigor na análise da dinâmica da globalização” nas relações económicas internacionais, chegando a conclusões que contribuem para a “melhoria do funcionamento” do sistema económico.

O economista turco é professor de economia política internacional na Universidade de Harvard e dedicou grande parte do seu trabalho ao estudo da globalização e às razões que levam para que alguns governos sejam mais bem-sucedidos do que outros.

Considerado um dos economistas mais influentes do mundo e um dos maiores especialistas em economia política, Dani Rodrik é membro do Departamento Nacional de Investigação Económica e do Centro de Investigação de Economia e Política de Londres, tendo recebido vários prémios e escrito cerca de vinte livros, incluindo "The Laws of Economics" e "The Paradox of Globalisation".

Dani Rodrik nasceu em Istambul (Turquia) em 14 de agosto de 1957 e obteve em 1979 o bacharelato em Artes pela Universidade de Harvard e, dois anos mais tarde, o mestrado em Administração Pública pela Escola Woodrow Wilson de Assuntos Públicos e Internacionais da Universidade de Princeton, onde se doutorou em Economia em 1985.

Atualmente é presidente da Fundação Ford de Economia Política Internacional na John F. Kennedy School of Government, em Harvard.

No seu livro "The Paradox of Globalization: Democracy and the Future of the World Economy" (2011) Rodrik formulou uma de suas teses mais populares: o trilema da política internacional.

Segundo esta tese, não é possível para um país combinar simultaneamente a sua integração na economia global, democracia e soberania do Estado, devendo renunciar a uma das três opções, devido à situação do sistema internacional.

Este é o quarto dos oito Prémios Princesa das Astúrias que vão ser anunciado este ano, depois de o da Concórdia ter sido atribuído aos profissionais espanhóis de saúde, o das Artes aos compositores Ennio Morricone e John Williams, e o da Comunicação e Humanidades à Feira de Guadalajara e ao Festival Hayaos.

Cada prémio consiste numa escultura do pintor e escultor espanhol Joan Miró – símbolo que representa o galardão -, 50.000 euros, um diploma e uma insígnia, que nos anos anteriores foi entregue numa cerimónia solene presidida pelo rei de Espanha, Felipe VI, no teatro Campoamor, em Oviedo.

O prémio para as Ciências Sociais foi atribuído em 2019 ao sociólogo Alejandro Portes e em edições anteriores a Michael J. Sandel (2018), David Attenborough (2009), Mary Robinson (2006) e Paul Krugman (2004), entre outros.

Este galardão distingue “trabalhos de criação e/ou investigação em história, direito, linguística, pedagogia, ciências políticas, psicologia, sociologia, ética, filosofia, geografia, economia, demografia e antropologia, e as disciplinas dentro de cada uma destas áreas”.

Em termos mais gerais, os Prémios Princesa das Astúrias distinguem o “trabalho científico, técnico, cultural, social e humanitário” realizado por pessoas ou instituições a nível internacional.