Última hora
This content is not available in your region

As crianças de Kim Il Sung

euronews_icons_loading
Documentary Kim Il Sung's Children
Documentary Kim Il Sung's Children   -   Direitos de autor  Lee Jin-man/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

"As crianças de Kim il Sung", é um documentário que conta a história de cerca de 5.000 órfãos norte coreanos enviados para regiões da antiga URSS. Polónia, Roménia, Bulgária, Hungria, Checoslováquia e Alemanha de Leste, "aliados comunistas". O objetivo era ajudar a reconstruir o país, devastado pela guerra, com projetos liderados pelos soviéticos.

Estas crianças estudaram e criaram laços nas comunidades que os acolheram e depois, de um dia para o outro, foram chamadas de volta a casa, como explica o realizador:

"Imagine-as a ler Shakespeare. Elas tinham apenas lido sobre Kim Il Sung e idolatravam-no. Se tivessem ficado na Coreia do Norte nunca teriam tido contacto com civilizações únicas e a cultura europeia. Ao discutirem música e literatura com os professores europeus, foi-lhes introduzida a ideia de liberdade. Acho que esse foi um motivo muito importante para Kim Il Sung trazer essas crianças de volta para o país, repentinamente, e colocá-las sob o seu controlo, em vez de deixá-las na Europa", explica Kim Deog-young.

Uma antiga professora polaca, Halina Dobek, que ensinou algumas dessas crianças, explica que "do ponto de vista psicológico foi difícil". Elas precisavam do calor humano, de quem cuidasse delas, precisavam de apoio por isso foi "sem entusiasmo" que partiram da Polónia rumo à Coreia do Norte.

Barbara Michalowska, filha de uma outra professora, Jadwiga Gardocka, conta que a mãe lhe disse que nas cartas que as crianças lhe escreveram elas diziam que queriam voltar para a Polónia, que tinham saudades. Uma delas escreveu que "voltar foi como abandonar o paraíso".

Mas desde a separação não voltaram a ver-se. O então líder norte-coreano fez orelhas moucas aos repetidos pedidos dos europeus para permitir o reencontro.

O documentário chega às salas de cinema norte-coreanas a 25 de junho, o dia que marca o 70º aniversário do início da Guerra da Coreia.