Última hora
This content is not available in your region

Grécia: A luta pós-Covid pelo regresso do turismo

euronews_icons_loading
Grécia: A luta pós-Covid pelo regresso do turismo
Direitos de autor  Yorgos Karahalis/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

O turismo recuou com a pandemia de uma forma histórica. A grécia, um dos maiores destinos europeus, luta agora para voltar aos dias em que a chegada de turistas era certa.

Para quem vivia exclusivamente de quem visitava o país, a tarefa é mais difícil.

Esta gerente hoteleira diz que os custos são enormes...e que estão a fazer de tudo para tentar recuperar da pandemia.

O presidente da União de Hoteleiros da ilha de Naxos e Little Cyclades admite que mesmo com as fronteiras abertas, os turistas não aparecem, o que está a tornar mais demorado o processo de recuperação.

"Embora as fronteiras se abrissem e esperássemos ver algum movimento no turismo, infelizmente, estamos a assistir a uma queda diária", disse Vagkelis Katsaras à Euronews.

Esta queda acentuada no turismo arrasta também outros setores, como o setor agrícola. Georgios Margaritis, produtor de carne, conta à euronews que a carne não é vendida porque não há ninguem que a compre.

"Se o turismo permanecer estagnado e a carne não for vendida em Naxos, teremos uma queda de preço, que já começou, e não sabemos o que acontecerá com a nossa produção de queijo. Agora, o meu problema é que tenho a carne para vender mas ninguém a quem vender", diz Georgios Margaritis.

A Comissão Europeia deu luz verde para ajudar as empresas agrícolas, mas o presidente da C|amara de Naxos destaca a necessidade de mais apoio aos produtores e trabalhadores da área do turismo que foram afetados pela crise da pandemia.

Dimitris Lianos diz que as ajudas não cobrem todas as perdas.

Em Paros e Antiparos, outras duas ilhas gregas, as praias, das mais procuradas no mediterrâneo estão vazias. Apesar da paisagem inédita, os hotéis estão de portas abertas por uma questão de marketing, como explica a representante da hotelaria destas duas ilhas. Mania Ampatzi diz que manter os funcionários a trabalhar sem cortes só é possível com os lucros dos anos anteriores e que este ano estarão de portas abertas para receber quem ainda mude de ideias e decida visitar as ilhas e para que o nome do hotel "não seja esquecido".

A queda do turismo foi sentida em todo o mundo, mas, na Grécia, um dos paraísos do Mediterrâneo, são milhares as pessoas que vivem da hotelaria e do comércio de rua. Para estes comercianes, os obstáculos vão levar tempo a ficar no passado.