EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Criança atirada da Tate Modern: Prisão perpétua para Jonty Bravery

Criança atirada da Tate Modern: Prisão perpétua para Jonty Bravery
Direitos de autor Metropolitan Police / AFP
Direitos de autor Metropolitan Police / AFP
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O jovem que atirou um menino de seis anos do 10° andar da galeria Tate Modern de Londres foi condenado a prisão perpétua. O menino partiu a coluna.

PUBLICIDADE

Jonty Bravery, o jovem de 18 anos que atirou um menino francês de 6 anos da plataforma de observação do 10º andar na galeria Tate Modern de Londres, no verão de 2019, foi condenado a prisão perpétua, com 15 anos de segurança.

Bravery foi condenado por tentativa de homicídio. As imagens das câmaras de segurança mostraram-no a seguir o rapaz e a olhar para os corrimões. A criança partiu a coluna, as pernas e os braços ao cair 30 metros sobre um telhado de quinto andar.

Através da inspetora da polícia, Melanie Presley, a mãe da vítima deixa esta mensagem: "Os atos cometidos contra o nosso filho por este indivíduo são indescritíveis". As palavras não podem expressar o horror e o medo que os seus atos nos causaram a nós e ao nosso filho, que é que agora se pergunta porque é que está no hospital".

Na altura do crime, Bravery estava sob os cuidados dos serviços sociais em Londres, mas apresentava melhoras e era autorizado a sair.

Os procuradores afirmaram que ele teria premeditado o ataque tendo como alvo crianças.

Bravery disse ao tribunal que tinha ouvido vozes que lhe diziam que tinha de fazer mal ou matar pessoas, e que queria "provar" à polícia que tinha um problema de saúde mental.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Aula de ioga confundida com "assassinato em massa" no Reino Unido

Hunter Biden, filho de Joe Biden, condenado em julgamento por três crimes de posse de arma

Robert de Niro chama "palhaço" a Donald Trump à porta do tribunal