This content is not available in your region

Poupanças das famílias preocupam a presidente do BCE

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques
Christine Lagarde receia que receios pelo futuro prejudiquem retoma da economia
Christine Lagarde receia que receios pelo futuro prejudiquem retoma da economia   -   Direitos de autor  AP Photo/Jean-François Badias

A poupança das famílias europeias engordou durante os dois meses de confinamento que bloquearam a Europa e os receios pelo futuro está a manter a tendência, ameaçando retardar a ansiada retoma da economia, prevê a presidente do Banco Central Europeu (BCE).

Entre fevereiro e maio, as poupanças na Europa chegaram aos 7,3 biliões de euros, um recorde.

Se se olhar apenas à zona euro, o aumento do pé de meia dos europeus foi de 136 por cento apenas entre março e abril, o período de maior impacto da pandemia.

Christine Lagarde antevê que a crise económica vai agravar as dívidas públicas e privadas.

A Presidente do BCE avisou que impacto será pior nos países e nas pessoas mais vulneráveis. Um aviso que Portugal, por exemplo, deve ter em conta.

A própria retoma vai ser contida, acrescentou Lagarde, considerando que em vez do regresso ao consumo como antes da pandemia, as famílias estão a privilegiar a salvaguarda do futuro e alguns negócios, como o do turismo, vão sofrer danos muito fortes.

O BCE espera, por isso, uma profunda recessão na zona euro até final do ano, tendo já reforçado o programa de compra de ativos de emergência devido à pandemia com mais 600 mil milhões de euros, para um total de 1.350 milhões de euros a usar pelo menos até ao final de junho do próximo ano.

Em Portugal, o total de depósitos nos bancos, em maio, chegou aos 159 mil milhões de euros, com um incremento de mais de 900 milhões de euros face a abril.

A tendência de aumento de dinheiro guardado nos bancos já vinha, no entanto, de trás. O final do primeiro trimestre deste ano revelou um crescimento de 7,4% na taxa de poupança dos portugueses, seis décimas acima do quarto trimestre de 2019 e motivada pelos aumentos nos salários e de uma quebra no consumo no final do ano.