Facebook apaga contas ligadas a assessores de Bolsonaro

Jair Bolsonaro anunciou dia 7 de julho que tinha testado positivo para Covid-19
Jair Bolsonaro anunciou dia 7 de julho que tinha testado positivo para Covid-19 Direitos de autor Eraldo Peres/Associated Press
De  Teresa Bizarro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Empresa dá conta de uma acção coordenada para espalhar informação falsa. Dezenas de contas e páginas no Facebook e Instagram foram apagadas

PUBLICIDADE

Pelo menos seis colaboradores do governo de Jair Bolsonaro foram identificados como parte de uma rede que usava o Facebook e o Instagram para espalhar informação falsa de forma coordenada. A notícia é avançada pela Folha de São Paulo que teve acesso à lista de contas apagadas pela empresa. Entre os seis colaboradores estão atuais e antigos funcionários do governo de Bolsonaro. Em destaque, Tércio Arnaud Tomaz que trabalhou diretamente com o presidente do Brasil e com o filho, Carlos bolsonaro.

Um dos alvos destas operações coordenadas terá sido Sérgio Moro, ex-ministro da justiça de Bolsonaro que se demitiu em rota de colisão com o presidente e que é visto como um possível candidato à chefia do Estado.

Esta operação insere-se numa nova estratégia do facebook de monitorizar a qualidade da informação divulgada nas redes sociais em parceria com a auditora Atlantic Council. Neste caso, foram usados perfis falsos ou duplicados de páginas de notícias, jornalistas ou comentadores políticos.

O gabinete de Jair Bolsonaro não fez ainda qualquer comentário. A última vez que o presidente brasileiro foi visto, foi quando tomou em direto hidroxicloroquina esta terça-feira - um medicamento sem evidência científica de ter resultados contra a Covid-19.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Brasileiros protestam contra Jair Bolsonaro

Bruxelas quer saber o que a Meta e o TikTok estão a fazer para mitigar conteúdos falsos violentos

Dona do Facebook em tribunal por danos à saúde dos mais novos