Última hora
This content is not available in your region

França: Treinadores de patinagem sob suspeita de agressões sexuais

euronews_icons_loading
França: Treinadores de patinagem sob suspeita de agressões sexuais
Direitos de autor  AFP
Tamanho do texto Aa Aa

Seis meses depois da denúncia da patinadora Sarah Abitbol, no livro "Um tão longo silêncio", a França conheceu o resultado do inquérito da Inspeção Geral da Educação, Desporto e Investigação.

Sarah Abitbol acusou o seu treinador, Gilles Bayer, de violação; no relatório agora divulgado há 20 treinadores sob suspeita: 12 de abusos sexuais e sete de violência física ou verbal.

De acordo com o texto do relatório, "o volume de casos identificados indica práticas e comportamentos que foram repetidos ao longo de gerações de treinadores (...) um caso sem paralelo a nível internacional"

O investigador da Universidade Lyon I e membro do Laboratório de Vulnerabilidades e Inovação no Desporto, Philippe Liotard, diz que "a inspeção mostrou que há uma característica própria à patinagem com crianças pequenas - fala-se mesmo de desporto de maturidade precoce - com relações entre os treinadores e os patinadores marcadas por uma forma de autoridade muito forte, que torna muito difícil às crianças libertarem-se dessa autoridade".

O investigador preconiza algumas medidas para evitar este tipo de comportamentos: "Por em funcionamento sistema de escuta e acompanhamento de vítimas;

"Punir, sancionar se necessário, em casos comprovados;

Trabalhar na formação e sensibilização sobre as questões da violência de forma a construir o que chamaria uma vigilância coletiva".

Vigilância e uma nova estrutura diretiva. A inspeção concluiu que a Federação Francesa de Patinagem funcionava com uma forte concentração de poderes, envolvendo um número reduzido de técnicos, que encorajava uma certa forma de Omerta - lei do silêncio.

A patinadora reagiu assim à publicação do relatório