Última hora
This content is not available in your region

Economia dos EUA com perdas históricas

euronews_icons_loading
Economia dos EUA com perdas históricas
Direitos de autor  FREDERIC J. BROWN/AFP or licensors
Tamanho do texto Aa Aa

Pode não ser a economia mundial mais afetada pela pandemia de Covid-19 ainda assim as previsões da administração dos EUA, em relação ao segundo trimestre de 2020, foram revistas em baixa.

A economia do país encolheu a uma alarmante taxa anual de 31,7% entre abril a junho, a queda trimestral mais acentuada de que há registo.

O resultado da pandemia são empresas a encerrar em catadupa e milhões de empregos perdidos. A taxa de desemprego situa-se nos 10,2%. Cerca de 1 milhão de pessoas candidatam-se ao fundo de desemprego todas as semanas, e o valor que vão receber sofreu também um corte.

A Reserva Federal anunciou uma importante mudança na sua política, esta quinta-feira, dizendo-se disposta a permitir que a inflação aumente mais do que o previsto, para apoiar o mercado de trabalho e a economia em geral. O presidente do organismo, Jerome Powell, explicava que não acreditam ser possível manter um mercado de trabalho robusto sem um aumento da inflação.

Na prática, esta mudança significa que a Reserva Federal estará menos inclinada para aumentar as taxas de juro quando o desemprego diminuir, desde que a inflação não aumente. O banco central tende a acreditar que baixas taxas de desemprego levam a uma perigosa escalada na inflação, pelo que tomam medidas preventivas.