Última hora
This content is not available in your region

Fogos aquecem campanha nos EUA

euronews_icons_loading
Fogos aquecem campanha nos EUA
Direitos de autor  Nic Coury/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Os incêndios que têm devastado o oeste dos Estados Unidos da América e colocaram as alterações climáticas no centro da agenda da campanha presidencial. Donald Trump e Joe Biden divergem sobre a origem dos fogos.

O presidente afirmou que os incêndios nos estados da Califórnia, Oregon e Washington, governados por democratas, se devem, essencialmente, à má gestão das florestas.

Trump explicou que "quando se tem anos de folhas secas no chão... Isso é combustível para o fogo". O presidente referiu que tem falado, nos últimos três anos com os dirigentes do estado da Califórnia sobre a importância de uma "boa e forte gestão florestal" e espera que comecem a implementá-la.

Mais uma vez, Donald Trump rejeitou a ideia de que os incêndios tenham como origem o aquecimento global.

Durante o seu mandato, o presidente tem desvalorizado os avisos dos cientistas sobre os danos que a utilização de combustíveis fósseis está a provocar à atmosfera.

Por seu lado, o democrata Joe Biden aponta o dedo ao atual inquilino da Casa Branca e deixa um aviso aos eleitores.

"Se derem mais quatro anos a um incendiário climático na Casa Branca, porque é que alguém ficaria surpreendido se tivéssemos mais América em chamas? Se se dá mais quatro anos a um negacionista do clima, por que é que alguém ficaria surpreendido quando mais partes da América ficarem debaixo de água?"

Desde o início de agosto, as chamas mataram pelo menos 36 pessoas e devoraram mais de dois milhões de hectares nos estados da Califórnia, Oregon e Washington.

O fumo fez com que a região registasse os piores níveis mundiais de qualidade do ar levantando muitas preocupações sobre o potencial risco para a saúde dos habitantes.